Sexta, 27 de Maio de 2022
20°

Tempo aberto

Jataí - GO

Dólar
R$ 4,73
0%
Euro
R$ 5,08
0%
Peso argentino
R$ 0,04
-0.071%
Bitcoin
R$ 143,266,12
-0.72%
Bovespa
111,941,68 pontos
+0.05%
Geral Alcool

FUP lamenta mais uma morte causada pela atual política de preços dos combustíveis

Jovem usou etanol para cozinhar porque não tinha dinheiro para comprar um botijão de gás para preparar o sua comida

14/04/2022 às 09h05
Por: Gideone Rosa Fonte: FUP/JN
Compartilhe:
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Rio de Janeiro, abril de 2022 - “Os reajustes que a gestão da Petrobrás vem aplicando não apenas no gás de cozinha, mas também no óleo diesel e na gasolina, estão atingindo a população de forma dramática. Mais uma vez, por causa da política de preços da Petrobrás, uma pessoa morre ao utilizar álcool para cozinhar”, lamenta o coordenador-geral da Federação Única dos Petroleiros (FUP), Deyvid Bacelar, ao lembrar do mais recente acidente fatal ocorrido em São Vicente, litoral sul de São Paulo. Desta vez a vítima foi a jovem Angélica Rodrigues, de 26 anos, que sofreu graves queimaduras e faleceu após ter 85% do seu corpo atingido enquanto usava o etanol no lugar do botijão de gás para preparar a sua comida.

Esse não é um caso isolado. “Já tivemos muitos outros casos de acidentes causados pelo mesmo motivo foram noticiados porque as pessoas não conseguem pagar R$ 115 em média por um botijão de gás de 13 kg”, explica Bacelar. Para o dirigente, essas mortes podem ser evitadas, bastando que a atual gestão da estatal pare de usar somente a cotação do petróleo e do dólar e passe a considerar também os custos nacionais de produção. “Só assim os combustíveis e GLP serão comercializados a um preço acessível para o povo”, comenta ele. Desde a implantação do Preço de Paridade de Importação (PPI) no governo Temer, em outubro de 2016, o gás de cozinha subiu 349,3%. “As famílias acabam tendo que escolher entre comprar a comida ou o botijão”.

Apesar de a Petrobrás ter anunciado na última semana a baixa de 5,58% no preço do Gás Liquefeito de Petróleo (GLP), esta redução ainda não foi sentida pelo consumidor. Só em março, o quilo do GLP subiu 16% nas refinarias.

Além do alto custo do GLP, o preço dos combustíveis no Brasil é uma das principais fontes de pressão inflacionária. Os aumentos nas refinarias repercutem nos postos de revenda, ou seja, no bolso do consumidor final. De janeiro de 2019 até hoje, a gasolina subiu 155,8%, o diesel 143,2% e o gás de cozinha, 132,2%, de acordo com a Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP).

Fonte: ANP - Elaboração: Dieese/FUP

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias