Quinta, 20 de Janeiro de 2022
24°

Poucas nuvens

Jataí - GO

Dólar
R$ 5,44
0%
Euro
R$ 6,15
0%
Peso argentino
R$ 0,05
+0.011%
Bitcoin
R$ 234,770,66
-4.046%
Bovespa
109,108,04 pontos
+1.01%
Educação Necessidade

Jovens deixam estudos para trabalhar e ajudar em casa

Crise da Covid-19 aumenta número de jovens das classes C e D que largam estudos para ajudar em casa, revela pesquisa Go2Mob/FirstCom

04/01/2022 às 09h57
Por: Gideone Rosa Fonte: FirstCom/JN
Compartilhe:
Entre as pessoas que participaram do levantamento, 42,9% disseram que seus filhos pararam ou pretendem parar de estudar para ajudar em casa.
Entre as pessoas que participaram do levantamento, 42,9% disseram que seus filhos pararam ou pretendem parar de estudar para ajudar em casa.

Pesquisa realizada com 4.520 brasileiros também mostra que 73,3% das pessoas que perderam o emprego depois da pandemia ainda não conseguiram se recolocar no mercado de trabalho

Entre os que tiveram acesso ao Auxílio Emergencial 2021, maioria utilizou o benefício para comprar alimentos (31,1%) e pagar dívidas (11,4%)

58% são favoráveis à exigência do passaporte da vacina para frequentar lugares públicos

São Paulo, janeiro de 2022 - Diante da crise econômica, agravada pela pandemia da Covid-19, as famílias da classe C e D estão vendo seus jovens desistirem de estudar para ajudar em casa. É o que revela a 2ª Pesquisa Go2Mob/FirstCom Pós-Vacina Covid-19, realizada pela Go2Mob, empresa que oferece soluções integradas para o setor mobile com foco em mídia, dados, consultoria e pesquisa, e a FirstCom Comunicação, agência de relações públicas.

Entre as pessoas que participaram do levantamento, 42,9% disseram que seus filhos pararam ou pretendem parar de estudar para ajudar em casa. O número é maior em relação ao registrado na primeira edição da pesquisa, realizada em março de 2021. Na ocasião, 31% dos entrevistados fizeram esta afirmação.

Já o número de pessoas que perderam o emprego depois da pandemia se manteve praticamente o mesmo de março para outubro. Na primeira edição, 50,6% disseram ter sido dispensados. Já na segunda, esse índice passou para 50,7%, sendo que, dentro deste grupo, 73,3% ainda não conseguiram recolocação no mercado de trabalho.

A pesquisa também procurou saber sobre o acesso ao Auxílio Emergencial. Na primeira edição do levantamento, em março, 46,9% dos entrevistados declararam ter recebido o recurso do governo em 2020. Entretanto, na segunda rodada do benefício - paga no decorrer de 2021 -, esse número caiu para 37,9%.

Dos que receberam a extensão do auxílio este ano, a maior parte utilizou o dinheiro para* comprar alimentos (31,1%) e pagar dívidas (11,4%). Os participantes também disseram ter comprado remédios (9,8%) e produtos de higiene e limpeza (9,5%). Apenas 2,7% gastaram com atividades de lazer e 2,3% conseguiram poupar os valores recebidos.

"Nossa pesquisa demonstrou um dado triste e preocupante: o forte impacto da pandemia no desemprego levou a um aumento da evasão escolar de jovens que precisaram largar os estudos para ajudar em casa. Com este cenário de queda de renda, o pouco recurso disponível através do auxílio emergencial foi direcionado principalmente para suprir necessidades básicas e saldar dívidas", observa Alexandre Ramalho, CEO da Go2Mob.

"Os dados deste segundo levantamento demonstram que a vacinação ainda não teve um reflexo tão positivo na retomada de geração de empregos, um cenário que poderá melhorar dependendo de como a pandemia irá se comportar nos próximos meses", acrescenta Luis Claudio Allan, CEO da FirstCom Comunicação.

Realizada nos dias 30 de setembro e 1º de outubro de 2021, a 2ª Pesquisa Go2Mob/FirstCom Pós-Vacina Covid-19 contou com a participação de 4.520 brasileiros das classes C e D, dos 26 estados e do Distrito Federal. Os participantes responderam, por celular, perguntas sobre economia, emprego, saúde, vacinação, educação e consumo. Confira abaixo outros destaques do levantamento.

Otimismo apesar da crise

Mesmo em um cenário de incertezas, o conhecido otimismo do brasileiro se manteve: 68,6% dos entrevistados afirmaram acreditar que a economia do país vai melhorar depois da completa vacinação da população e do fim da pandemia. Entretanto, para 27%, a situação não deve melhorar, nem piorar. Apenas 4,4% imaginam que vai piorar.

Home office: somente 12,9% estão trabalhando remotamente

Dentre os 49,3% dos trabalhadores das classes C e D que afirmaram não ter perdido o emprego depois da pandemia, somente 12,9% disseram estar trabalhando no modelo home office. Quando questionados se irão continuar exercendo suas atividades de forma remota no futuro, 63,9% responderam que sim.

Educação: 62,9% concordam com a volta às aulas antes do fim da pandemia 

Dos participantes da pesquisa, 28,7% afirmaram ter filhos em idade escolar. Destes, 65,7% disseram que as crianças e adolescentes já voltaram para a escola. Quando questionados se concordam com o retorno às aulas antes da vacinação e do fim da pandemia, 62,9% responderam que sim.

Ainda no grupo de respondentes com filhos em idade escolar, 34,3% disseram que os estudantes ainda não retornaram às aulas presenciais e 19% declararam que os jovens não estão conseguindo acompanhar as aulas em casa. Os motivos apontados para essa dificuldade foram a falta de acesso à Internet (45,1%), problemas para se concentrar nas aulas online (37,2%) e ausência de computadores ou celulares para eles estudarem (17,7%).

Consumo: 34,1% começaram ou aumentaram as compras pela Internet

Com as restrições de circulação para barrar a disseminação do coronavírus, 34,1% dos entrevistados iniciaram ou aumentaram o hábito de comprar pela Internet. Dentro deste grupo, 85,1% disseram utilizar o celular e 14,9% o computador para realizarem suas compras. Mesmo após o fim da pandemia, 81,8% pretendem continuar comprando online.

No ranking dos produtos mais comprados pela Internet* foram citados alimentos (18,5%), roupas (11,4%), medicamentos (8,7%), produtos de higiene e limpeza (7,9%), cosméticos (6,5%), eletrônicos (7,2%), celular (5,7%) e eletrodomésticos (4,3%).

Passaporte da vacinação: maioria é a favor

Quando perguntados se concordavam com a exigência do passaporte de vacinação para o acesso a lugares públicos, como estádios de futebol, shoppings centers e shows, 58,1% dos entrevistados responderam que sim.

A porcentagem dos que são contra a medida ficou em 19,7%. Outros 22,2% assinalaram a opção “não sei”. Sobre a possibilidade de as empresas exigirem o comprovante de vacinação para que os colaboradores possam voltar a trabalhar presencialmente nos escritórios, 61,1% afirmaram que são a favor.

Ainda sobre o tema vacinação, 76,3% dos respondentes disseram já ter tomado pelo menos uma dose do imunizante contra a Covid-19. Destes, 85,2% declararam que vão continuar com distanciamento social e uso de máscara e álcool gel, mesmo depois de serem completamente vacinados.

Em relação aos hábitos sociais depois da flexibilização da quarentena, 65,5% afirmaram que só saem de casa quando necessário, 19,4% saem frequentemente e 15% disseram que ainda estão totalmente isolados.

Metodologia

A 2ª Pesquisa Go2Mob/FirstCom Pós-Vacina Covid-19 foi realizada pela Go2Mob nos dias 30 de setembro e 1º de outubro de 2021. O estudo entrevistou 4.520 brasileiros das classes C e D de todos os estados do Brasil e Distrito Federal, por celular, com o objetivo de entender o que a população espera para o pós-vacina e o fim da pandemia por meio de perguntas sobre economia, emprego, saúde, vacinação, educação e comportamento do consumidor.

*Questão de múltipla escolha

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias