Quinta, 20 de Janeiro de 2022
23°

Poucas nuvens

Jataí - GO

Dólar
R$ 5,44
0%
Euro
R$ 6,15
0%
Peso argentino
R$ 0,05
+0.011%
Bitcoin
R$ 229,683,16
-6.125%
Bovespa
109,108,04 pontos
+1.01%
Geral Soja gigante

Produtor em Mato Grosso consegue cultivar pé de soja com 3 metros de altura

O feito entrou para o Livro dos Recordes ao ter uma planta tão grande com 21.425 vagens

06/12/2021 às 09h09 Atualizada em 06/12/2021 às 09h40
Por: Gideone Rosa Fonte: Fertiláqua/JN
Compartilhe:
O produtor de soja Sr. Nelson Kappes conta que os experimentos para o cultivo do famoso pé de soja gigante, o levaram a entender como seria possível cultivar uma planta de três metros de altura, com 21.425 vagens, que entrou para o Livro dos Recordes./ Fo
O produtor de soja Sr. Nelson Kappes conta que os experimentos para o cultivo do famoso pé de soja gigante, o levaram a entender como seria possível cultivar uma planta de três metros de altura, com 21.425 vagens, que entrou para o Livro dos Recordes./ Fo

Manejo adequado da arquitetura vegetal impulsiona a produtividade da soja 

Através de estímulo de produção de nós, Aminoagro Alga+ supera produtividade com 17,2 sc/ha comparado a produto controle

A arquitetura vegetal é um fator de produtividade importante da cultura, que engloba o aspecto visual da planta, tamanho, forma, densidade, estrutura, disposição da folhagem e textura de suas partes vegetais; que está relacionada à forma como o vegetal ocupa e se desenvolve no espaço. Entender e aplicar melhores técnicas de manejo neste processo é fator de sucesso para produtividade da soja.

Em Santa Carmem, MT, temos um exemplo impressionante da importância do manejo da arquitetura vegetal. O produtor de soja Sr. Nelson Kappes conta que os experimentos para o cultivo do famoso pé de soja gigante, o levaram a entender como seria possível cultivar uma planta de três metros de altura, com 21.425 vagens, que entrou para o Livro dos Recordes. 

Para as sementes, houve cruzamento genético, mas são os cuidados com a terra e manejo da planta que fazem toda diferença. O Sr. Nelson explica que a área foliar recebe atenção especial, tudo com muita cautela. “O produto precisa ser bom, mas qualquer processo errado pode estragar a planta”, alerta o produtor. Para o grande número de vagens, o segredo é ainda mais dedicação. “Tem que dar bom dia e boa noite para a planta”, se diverte ao se referir a atenção ofertada ao cultivo.

O pé de soja gigante do Sr. Nelson é cultivado sem pretensões comerciais, mas o feito deste gaúcho que migrou para o Mato Grosso, ainda jovem, já lhe rendeu diversos prêmios e muita intimidade com a agricultura, por isso não se excita em dizer que o cuidado com a terra é o melhor caminho para a produtividade. “A lavoura exige capricho. A terra tem que ser bem cuidada por nós. Cuidando bem e fazendo o manejo correto se tem retorno sempre”, aconselha Sr. Nelson. 

Já nas lavouras com grandes produções, através do melhoramento genético  a altura das plantas de soja tem sido significativamente reduzida, especialmente com o objetivo de diminuir os problemas de acamamento, reduzir o autosombreamento, ter maior resposta à nutrição e aumentar a inserção de vagens no terço inferior da plantas. “Esta redução do cultivo favorece as práticas de manejo, porém é preciso estimular a planta para que ela expresse as características desejáveis para melhor produtividade como maior quantidade de nós, galhos, folhas e vagens. Além disso, para melhor aproveitamento e formação da arquitetura vegetal e das estruturas vegetativas a partir dos nós de crescimento, é importante entender as principais características das plantas quanto ao seu hábito de crescimento”, explica Deyvid Bueno, Gerente de desenvolvimento de mercado da Fertiláqua. Vejamos:

Em cultivares de hábito determinado ocorre a interrupção repentina do crescimento no estádio R1 - primeiro estádio reprodutivo da planta, que inicia quando os estilo-estigmas estão visíveis - enquanto as folhas continuarão a desenvolver-se nas ramificações. O florescimento dessas plantas ocorre ao mesmo tempo em todos os nós e, assim como a formação de vagens e grãos, as folhas têm uma certa uniformidade em tamanho e as plantas apresentam um longo racimo terminal no ápice do caule.

Na arquitetura vegetal dos cultivares de hábito indeterminado, o número de nós no caule principal aumenta até o estádio R5  - que corresponde ao enchimento dos grãos até atingirem seu tamanho potencial - sendo que o número final ocorre devido ao número de dias do V1 - quando a plântula está com as folhas unifolioladas (opostas, no primeiro nó foliar) completamente desenvolvidas a R5.5 - vagens com sementes com 76% a 100% de granação em um dos quatro últimos nós da haste principal, com folha completamente desenvolvida, sendo o crescimento linear, com a formação de um nó a cada 3,7 a 5 dias (Pedersen, 2007 apud. FLOSS, 2021), dependendo da temperatura.  Entender essa diferença ajuda a saber quando e como se deve organizar o manejo para aproveitamento das características de cada cultivar com mais assertividade. Porém, é importante destacar que, apenas as determinações genéticas não são suficientes para se ter resposta em estruturação de formação de galhos e estatura das plantas.

O pesquisador Elmar Floss, em seu livro Maximizando o rendimento da soja, apresenta diversos fatores que interferem na estatura das plantas, como: cultivar, época de semeadura, população de plantas, disponibilidade de água, temperatura, hábito de crescimento, disponibilidade de nutrientes e dias nublados. Cada um destes fatores nos leva a uma vasta abordagem.  Por hora, vamos nos atentar em como moldar a arquitetura de plantas de soja para maior produtividade.

Componentes da estrutura vegetal e ações no manejo para melhor produtividade 

Número de ramos

Os ramos produtivos garantem a disposição necessária para o arranjo de estruturas reprodutivas que se transformarão em vagens. A característica genética da cultivar determina o potencial de formação desses ramos, porém fatores ambientais podem comprometer a eficiência das suas formações.  Por isso, para um bom desenvolvimento de estruturas vegetativas é preciso haver o crescimento e desenvolvimento de raízes de forma adequada. O incremento no volume radicular pode potencializar a absorção de água e nutrientes e ajudar a regular o crescimento da parte aérea pela produção de hormônios (ácido abscísico, citocinina e estrigolactona), trazendo melhor resposta ao aumento de estruturas vegetativas. A aplicação de condicionador de solos, enraizadores e o uso de práticas de manejo para diminuir a perda de raízes associadas ao uso do Aminoagro Alga+ favorecem a divisão celular nos órgãos vegetais, inclusive no sistema radicular.

Número de nós

Os nós reprodutivos são fator chave para a formação de produtividade pois é deles que vão surgir as flores e vagens, consequentemente. No entanto é preciso que haja um equilíbrio hormonal alinhado a atenuação de estresses para que a diferenciação de gemas ocorra de maneira satisfatória para uma maior a produtividade. 

Área foliar

Na cultura da soja, a alteração da atividade fonte (folhas) durante o florescimento e enchimento de grãos, normalmente resulta na alteração do número de vagens e grãos, indicando uma função fundamental das folhas nesse período. Manter uma quantidade equilibrada de área foliar garante o abastecimento adequado para os grãos e não exige que a planta transfira energia para estruturas vegetativas no momento errado, comprometendo a distribuição correta para os grãos. Cultivares de soja com eficiência na interceptação de luz no terço inferior possuem maior eficiência na deposição de gotas de produtos aplicados, levando ao melhor controle sanitário e consequentemente melhor produtividade. “Conhecendo a cultivar e pelo histórico de resposta de crescimento e emissão de folhas é possível saber quando a planta está em uma quantidade ótima ou não. O uso do Aminoagro Alga+, neste caso, entra como uma ferramenta imprescindível para promover o equilíbrio na formação adequada de folhas e produção do aparato fotossintético”, recomenda Deyvid.

Número de Vagens 

O número de vagens por unidade de área é o principal componente de rendimento da soja. A fixação das vagens (pegamento) é limitado pelos estresses bióticos e abióticos. A conversão da flor em vagens é estimulada pelo maior teor de citocininas e pela baixa concentração de etileno e ácido abscísico. A citocinina é um hormônio que atua na divisão celular, mobilização de nutrientes e longevidade foliar. Sua produção ocorre no ápice das raízes e transloca para a parte aérea das plantas através do xilema. Como a citocinina também age na diferenciação de gemas laterais para formação de ramificações, as plantas com maior volume de raízes apresentam grande potencial de desenvolvimento de ramificações da parte aérea. Dessa forma, o aumento na concentração de citocinina em plantas de soja pode ser uma opção interessante para o aumento do número de nós pela redução da distância dos entrenós e/ou aumento no número de ramificações. Como vimos anteriormente, o nó representa uma gema reprodutiva que pode formar um racemo contendo várias flores. Isso determina o aumento na ‘caixa produtiva’ que fisiologicamente é designada por aumento no potencial de formação de flores.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias