Quinta, 20 de Janeiro de 2022
24°

Poucas nuvens

Jataí - GO

Dólar
R$ 5,44
0%
Euro
R$ 6,15
0%
Peso argentino
R$ 0,05
+0.011%
Bitcoin
R$ 234,770,66
-4.046%
Bovespa
109,108,04 pontos
+1.01%
Geral Artigo

O PIB e a urna

Ainda é cedo para dizer que estamos em recessão, mas o panorama do futuro próximo não é nada animador.

06/12/2021 às 09h03
Por: Gideone Rosa Fonte: Mackenzie/JN
Compartilhe:
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Por Josilmar Cordenonssi Cia

O IBGE divulgou na semana que passou que houve uma queda 0,1% do PIB brasileiro no terceiro trimestre em relação ao segundo. Apesar de ser o segundo trimestre consecutivo de queda, ainda é cedo para dizer que estamos em recessão, mas o panorama do futuro próximo não é nada animador.

Os defensores do governo dirão que a queda do PIB se deveu à queda de 0,8% da agricultura e pecuária por conta do clima, pois secas e geadas causaram quebras de safra, mas o Brasil ainda está em recuperação em "V". Entretanto, esse "V" está virando uma "raiz quadrada". Olhando o desempenho do investimento (-0,1%) e da indústria (zero) é que vemos que voltamos à situação de crescimento medíocre, uma doença crônica antiga nossa que estava escondida pela pandemia.

Em 2019, após a aprovação da reforma da previdência, parecia que o Brasil poderia acelerar o seu crescimento. Mas, antes da pandemia, em novembro daquele ano, Bolsonaro engavetou o projeto de reforma administrativa, sem mandá-lo para a Câmara, e o Ministério da Economia não colaborava com a discussão da reforma tributária no congresso e vivia lançando "balões" de uma nova CPMF, que "não era CPMF". Perdemos uma excelente chance de avançarmos essas reformas tão necessárias e tão negligenciadas.

Com a pandemia, o governo ampliou o espaço de uma espécie de "guerra cultural", o que ofuscou a resolução de problemas! Até mesmo remédios entraram numa discussão que se tornou ideológica e não somente técnica, como deveria ser!

Vendo o seu dinheiro aplicado em um país com conflitos nas suas diversas instâncias de poder, compreensivamente, os investidores começaram a fugir do país. O dólar disparou e não caiu mais, ao contrário dos outros emergentes. Nem com a alta dos preços das commodities que exportamos o real se valorizou, impactando fortemente na inflação e, com um certo delay, na Selic.

Com o teto de gastos virando peneira, em nome do social (eleitoral), só resta ao Banco Central subir a taxa de juros ainda mais para segurar a inflação. A economia poderá entrar em recessão e, mesmo com o Auxílio Brasil, os eleitores podem se perguntar qual seria o sentido de uma reeleição.

O autor

O (ex-) país do futuro não consegue superar a 'década perdida'?

Josilmar Cordenonssi Cia (foto) é graduado em Economia, mestre e doutor em Administração de Empresas. É professor da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias