Segunda, 06 de Dezembro de 2021
28°

Pancada de chuva

Jataí - GO

Dólar
R$ 5,70
+0.821%
Euro
R$ 6,43
+0.58%
Peso argentino
R$ 0,06
+0.622%
Bitcoin
R$ 290,578,32
-10.821%
Bovespa
106,139,65 pontos
+1.02%
Internacional Ração animal

China desenvolve tecnologia para transformar emissões industriais em ração animal

A tecnologia envolve a síntese da exaustão industrial que contém monóxido de carbono, dióxido de carbono e nitrogênio em proteínas

18/11/2021 às 09h31 Atualizada em 18/11/2021 às 09h42
Por: Gideone Rosa Fonte: AgroNews/JN
Compartilhe:
China desenvolve tecnologia para transformar emissões industriais em ração animal

É possível transformar emissões em alimento? Segundo pesquisadores chineses a resposta é sim. Pesquisadores chineses afirmaram ter desenvolvido a tecnologia para transformar as emissões industriais em ração animal em grande escala – medida que poderia reduzir a dependência do país de matérias-primas importadas, como a soja.

A tecnologia envolve a síntese da exaustão industrial que contém monóxido de carbono, dióxido de carbono e nitrogênio em proteínas utilizando a Clostridium autoethanogenum, uma bactéria usada para fazer etanol. A notícia foi divulgada esta semana (01) no periódico estatal Science and Technology Daily.

Transformar emissões industriais em ração animal

Dr. Xue Min, cientista-chefe do projeto e pesquisador do instituto de alimentação da academia chinesa de ciências agrícolas, disse que a síntese natural das proteínas geralmente é alcançada através da circulação natural em plantas ou plantas com funções de fixação de nitrogênio de microrganismos específicos, envolvendo expressão genética complexa, síntese bioquímica, regulação fisiológica e outros processos de vida, resposta lenta, baixa eficiência de conversão de material e energia, e, em última instância, baixo teor de proteína. proteínas biossintéticas em larga escala provenientes de fontes de monóxido de carbono e nitrogênio (amônia) não estão sujeitas a essa limitação.

Portanto, a proteína sintética tem sido considerada por muito tempo pelos círculos acadêmicos internacionais como uma ciência e tecnologia de fronteira revolucionária que afeta o processo da civilização humana e a cognição de fenômenos de vida.

Dai Xiaofeng, diretor do Instituto Feedstuff, disse que a promoção da tecnologia é significativa para garantir a segurança alimentar nacional e o desenvolvimento sustentável.

“O novo recurso de proteína alimentar auto-desenvolvido reduzirá e gradualmente substituirá nossa dependência da proteína de soja de grãos de soja importados“, disse Dai.

Realizado em conjunto pelo instituto e beijing Shougang Lanza Tech, o projeto fez avanços no desenvolvimento da proteína Clostridium autoethanogenum.

“Após seis anos de pesquisa, a empresa aumentou a taxa de produção de proteína de biossíntese a partir do gás monóxido de carbono para um máximo de 85% e teve sucesso na aplicação industrial“, disse Chao Wei, vice-presidente da Shougang Lanza Tech.

Resumidamente, os cientistas afirmam que foco da tecnologia é ajudar na descarbonização e diminuir a dependência da China de importações de insumos para produção de rações animal.

                                                             A primeira planta industrial para fermentação biológica é colocada em produção em Caofeidian, província de Hebei, em 2018. Sua produção anual de proteínas chega a 5.000 toneladas.

Diminuição nas importações

A China é o maior importador de soja, que é esmagada para produzir rações, principalmente para seu rebanho suíno (o maior do mundo). Ela compra grandes volumes de países como Brasil, Argentina e Estados Unidos. A commodity também tem sido uma importante fonte de atrito, contribuindo para as tensões comerciais entre os EUA e a China.

Huang Qingsheng, funcionário do Ministério da Agricultura e Assuntos Rurais encarregado da forragem, disse que a pecuária chinesa consome 400 milhões de toneladas de forragem todos os anos.

“A forragem contém 70 milhões de toneladas de proteína, das quais 60% são provenientes de soja importada”, disse Huang.

A China está passando por uma escassez de commodities agrícolas devido à falta de terras produtivas e à crescente demanda de uma população mais rica e tenta aumentar a produtividade e reduzir o desperdício. O Science and Technology Daily afirmou que 80% das necessidades de matéria-prima da China para proteínas de ração são atendidas por importações.

Se a China conseguir produzir 10 milhões de toneladas de proteína sintética usando a nova tecnologia, isso equivaleria a cerca de 28 milhões de toneladas de soja importada, observaram os pesquisadores. A produção de proteínas sintéticas para ração animal em grande escala também ajudaria a China em seu programa de descarbonização, acrescentaram, sendo este um dos principais objetivos políticos do Partido Comunista.

Fonte: AGRONEWS® Informação para quem produz

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias