Segunda, 06 de Dezembro de 2021
28°

Pancada de chuva

Jataí - GO

Dólar
R$ 5,68
+0.566%
Euro
R$ 6,42
+0.445%
Peso argentino
R$ 0,06
+0.326%
Bitcoin
R$ 292,067,62
-10.136%
Bovespa
106,522,33 pontos
+1.38%
Geral Comunicação digital

Cresce a internet via satélite

Usuários não ficam à mercê de pouquíssimas empresas de grande porte

29/10/2021 às 10h39
Por: Gideone Rosa Fonte: Mackenzie/JN
Compartilhe:
Foto: Divulgação / Google
Foto: Divulgação / Google

Vivaldo José Breternitz

A Amazon está se associando à Verizon em um projeto que prevê que sua constelação de satélites Kuiper se conecte às torres de celulares da Verizon para fornecer acesso à internet em áreas remotas, onde é mais caro e difícil instalar redes de fibra ótica do que construir essas torres.

O projeto Kuiper custará US$ 10 bilhões à Amazon, prevendo-se o lançamento de 3.236 satélites que em estarão em órbita a uma altitude de cerca de 600 quilômetros, permitindo acesso à internet a uma velocidade de até 400 Mbps.

A Verizon não informou quanto investirá em torres e nem os preços que pagará à Amazon - os usuários finais serão clientes diretos da Verizon; de qualquer forma o potencial é enorme, pois existem centenas de milhões de pessoas que vivem em áreas como essas.

No entanto, tudo isso ainda está distante: até agora, o projeto Kuiper não lançou nenhum satélite, mas de acordo com a licença que obteve do governo americano, deve colocar em órbita a metade do número total até 2026.

O Kuiper é o maior concorrente do projeto Starlink da SpaceX, empresa do grupo Tesla, que pretende fornecer o mesmo tipo de serviço, usando cerca de 12 mil satélites, dos quais mais de 1.700 já em órbita, o que está permitindo que alguns usuários já se conectem, ainda em uma versão beta do serviço. O CEO da SpaceX, Elon Musk, disse que o Starlink finalizaria a fase beta neste mês, mas até agora isso não foi confirmado.

Mas Starlink e Kuiper tem concorrentes: a OneWeb, que já lançou 358 satélites de uma constelação que prevê 648, e outra empresa menor, a Telesat, que planeja lançar uma constelação de quase 300 satélites.

A concorrência é boa, pois os usuários não ficam à mercê de pouquíssimas empresas de grande porte, que ao invés de concorrerem de verdade, podem se compor e impor sua vontade às pessoas.

Vivaldo José Breternitz é Doutor em Ciências pela Universidade de São Paulo, é professor do Programa de Mestrado em Computação Aplicada da Universidade Presbiteriana Mackenzie.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias