Segunda, 06 de Dezembro de 2021
28°

Pancada de chuva

Jataí - GO

Dólar
R$ 5,68
+0.478%
Euro
R$ 6,42
+0.372%
Peso argentino
R$ 0,06
+0.256%
Bitcoin
R$ 291,282,13
-10.299%
Bovespa
105,990,23 pontos
+0.88%
Geral Meio ambiente

Estudo: soja e gado são decisivos para Brasil reduzir desmatamento

O estudo é do BCG e WWF

27/10/2021 às 09h24
Por: Gideone Rosa Fonte: JN
Compartilhe:
Foto: Divulgação / Canal Rural
Foto: Divulgação / Canal Rural

Soja e gado brasileiros são decisivos para o desafio de reduzir o desmatamento no mundo, apontam BCG e WWF

Relatório aponta que compromissos ambientais precisam alcançar novo patamar para combater o desmatamento que afeta alguns dos principais ecossistemas no mundo

• O relatório Deforestation & Conversion Free Supply Chains, do Boston Consulting Group (BCG) e da WWF, indica que entre 2001 e 2015, sete commodities agrícolas foram as que mais contribuíram para o desmatamento global impulsionado pela agricultura (cerca de 123 milhões de hectares de florestas ao todo): carne (37%), óleo de palma (9%) soja (7%), cacau (2%), café (2%), borracha (2%) e madeira (1%).

• A criação de gado desponta como a principal causa histórica do desmatamento no Brasil. O país foi responsável, entre 2001 e 2015, por 48% do desmatamento global motivado por produção de carne. Em comparação com as demais commodities, é o setor que encontra-se mais atrasado em comprometimentos ambientais e o mais incipiente na certificação da origem de seu produto, a carne.

• Já o plantio de soja no Brasil foi responsável, entre 2001 e 2015, por 61% de todo o desmatamento global causado pela commodity, tendo em vista o forte crescimento da produção da leguminosa no país nesse período. Ela é a terceira commodity que mais motiva o desflorestamento no mundo, atrás apenas da carne e do óleo de palma.

• O relatório afirma que, para reverter o impacto de suas atividades sobre os ecossistemas, as empresas líderes de cada commodity no país precisam fomentar uma mudança sustentável em seus setores, promovendo transparência, rastreabilidade e verificação de empresas em toda a cadeia de suprimentos. É crítico também reportar o avanço dos compromissos de sustentabilidade assumidos, prática de apenas entre 41% a 46% das grandes empresas em todo o mundo.

• Além disso, é essencial que as organizações apoiem esforços para o fortalecimento da legislação ambiental e de sua execução, no sentido de evitar o desmatamento e apoiar a conservação sustentável das propriedades.

• As empresas líderes devem avançar da mentalidade de "compradoras de commodities sustentáveis" para "promotores de sustentabilidade além de suas operações", o que inclui uma ampla abordagem sustentável no setor, ambiente ou jurisdição, executada de forma colaborativa, para que haja impacto significativo.

• O relatório aponta boas práticas nessa direção, sendo que dois exemplos concretos no Brasil se destacam:

1. Em 2021, três produtores brasileiros de ração para piscicultura adotaram compromisso de comercialização de produtos livre de desmatamento, o que garantiu fornecedores que adotassem as melhores práticas contra o desmatamento em todos os níveis da cadeia.

2. Em 2006, o pacto ambiental assinado entre produtores de soja, ONGs e governo (Moratória da soja) registrou um compromisso para impedir a conversão das florestas amazônicas em plantios de soja.

• Instituições financeiras também podem exercer papel mais ativo nos esforços de sustentabilidade da cadeia produtiva das commodities. Como credores, elas têm função direta no financiamento de empresas e atividades que podem estar ligadas ao desmatamento direta ou indiretamente. Além disso, também podem desenvolver e apoiar a transição para modelos econômicos viáveis, sustentáveis e justos​​para produtores e pequenos proprietários. No entanto, apenas metade das instituições do Forest 500 assumiu compromissos para conter o desmatamento e a conversão de terras - e apenas 7% delas se comprometeram com zero desmatamento em seus negócios

• "As grandes empresas de cada setor devem trabalhar juntas, com apoio dos governos, mercado financeiro e ONGs, para assumir compromissos maiores ​​e implementar ações cada vez mais efetivas contra o desmatamento. No Brasil, uma das medidas mais importantes seria a melhoria da rastreabilidade dos produtos desde a sua origem, garantindo a sustentabilidade em todas as etapas produtivas. A tecnologia de blockchain já é adotada com esse objetivo, mas ainda há grande margem para melhora", avalia Jorge Hargrave, diretor do BCG e colíder da prática de Mudanças Climáticas no Brasil.

• Em 2019, WWF e BCG lançaram a plataforma OpenSC, que usa o blockchain e outras tecnologias para rastrear alimentos e produtos, ajudando pessoas e empresas a evitarem mercadorias ilegais, prejudiciais ao meio ambiente ou antiéticas.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias