Segunda, 06 de Dezembro de 2021
27°

Pancada de chuva

Jataí - GO

Dólar
R$ 5,68
+0.504%
Euro
R$ 6,41
+0.315%
Peso argentino
R$ 0,06
+0.293%
Bitcoin
R$ 292,041,07
-10.089%
Bovespa
105,069,69 pontos
0%
Geral CPI da Covid:

Petição popular tem mais de 30 mil assinaturas

Anistia Internacional Brasil e 17 organizações parceiras exigem que Augusto Aras não arquive relatório final da comissão do Senado

26/10/2021 às 09h19
Por: Gideone Rosa Fonte: JN
Compartilhe:
Procurador-Geral da República, Augusto Aras / Foto: Divulgação
Procurador-Geral da República, Augusto Aras / Foto: Divulgação

A sociedade civil segue atenta e organizada na etapa de encaminhamentos finais da CPI da Covid. A Anistia Internacional Brasil e outras 17 organizações já mobilizaram mais de 30 mil assinaturas em prol da campanha Omissão Não é Política Pública. Com esse chamado, o grupo exige que o Procurador-Geral da República, Augusto Aras, não arquive o relatório final da CPI da Covid. A adesão popular, ainda aberta , é por meio de assinatura e formulário no site da Anistia Internacional.

Espera-se que nesta terça-feira, 26, os integrantes da CPI votem o relatório final do senador Renan Calheiros (MDB-AL). A comissão pode pedir que o Ministério Público Federal abra investigações, inclusive criminais. A previsão é que o parecer seja levado para apreciação de Aras já no dia seguinte.

Já são mais de 600 mil vidas interrompidas pela gestão desastrosa da pandemia no Brasil. Os depoimentos e investigações conduzidos na CPI confirmam: mortes evitáveis têm culpas atribuíveis. Com a campanha Omissão Não é Política Pública, a sociedade civil exige que todas as pessoas apontadas pelo relatório final da CPI sejam processadas judicialmente e devidamente responsabilizadas. Assim, será possível construir um caminho de reparação para as vítimas e seus familiares.

As organizações que participam da campanha ao lado da Anistia Internacional Brasil são: Oxfam Brasil, INESC - Instituto de Estudos Socioeconômicos, IDEC - Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor, Criola, Abrasco - Associação Brasileira de Saúde Pública, CIMI - Conselho Indigenista Missionário, Terra de Direitos, COIAB - Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia Brasileira, Movimento Nacional de Direitos Humanos, Observatório das Metrópoles, OLODUM, RESAMA - Rede Sul-Americana para as Migrações Ambientais, Justiça Global, Cedeca, Engajamundo, IMUNE-MT - Instituto de Mulheres Negras de Mato Grosso, e ABMMD - Associação Brasileira de Médicas e Médicos pela Democracia. As entidades vêm usando a hashtag #NãoEngavetaAras no Twitter, para pressionar os representantes do poder público.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias