Sábado, 25 de Setembro de 2021
29°

Pancada de chuva

Jataí - GO

Dólar
R$ 5,33
0%
Euro
R$ 6,25
-0.001%
Peso argentino
R$ 0,05
+0.049%
Bitcoin
R$ 268,773,25
+2.269%
Bovespa
113,282,67 pontos
-0.69%
Geral Vinho

Vinho X Cerveja - Sua saúde vai agradecer

Vinho é mais seguro do que cerveja para minimizar o risco de doença cardíaca

14/09/2021 às 08h36
Por: Gideone Rosa Fonte: Mackenzie/JN
Compartilhe:
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Por Rubens de Fraga Júnior

Beber menos de seis copos de álcool padrão australiano por semana está associado ao menor risco de desenvolver fibrilação atrial, mas nem todo álcool é criado da mesma forma, mostra uma nova pesquisa da Universidade de Adelaide.

Fibrilação atrial (FA) é uma frequência cardíaca irregular e rápida que pode aumentar o risco de acidente vascular cerebral, insuficiência cardíaca e outras complicações relacionadas ao coração. Os sintomas incluem palpitações cardíacas, falta de ar e fraqueza.

Pesquisas anteriores mostraram que o consumo excessivo e grandes quantidades de álcool, aumentam o risco de desenvolver fibrilação atrial, mas não estava claro se o consumo de baixas quantidades de álcool aumenta o risco de desenvolver FA.

Este estudo, publicado hoje em JACC: Clinical Electrophysiology, usou dados do UK Biobank, um banco de dados de pesquisa em grande escala com informações de saúde coletadas de meio milhão de voluntários do Reino Unido.

O autor principal, Samuel Tu, do Centro de Distúrbios do Ritmo Cardíaco da Universidade de Adelaide, disse que os pesquisadores descobriram que aqueles que consumiam menos de seis bebidas alcoólicas padrão australianas por semana tinham o menor risco de desenvolver FA.

"Também descobrimos que o consumo de cerveja e cidra foi associado a um risco maior de fibrilação atrial, em comparação com o consumo de vinho tinto e branco", disse ele.

"Nossas descobertas sugerem que o consumo responsável de álcool até seis doses por semana é seguro em termos de minimizar o risco de fibrilação atrial. Para aqueles que consomem álcool atualmente, beber vinho tinto ou branco pode ser uma alternativa mais segura a outros tipos de bebidas alcoólicas".

"É importante ressaltar que essas descobertas não se aplicam a pessoas que já sofrem de fibrilação atrial, que podem descobrir que reduzir o consumo de álcool pode reduzir seus sintomas".

Os pesquisadores também investigaram se o número recomendado de bebidas por semana era diferente para homens e mulheres.

"Uma questão chave que buscamos responder neste estudo é se o efeito do álcool é diferente em mulheres e homens em termos de desenvolvimento de fibrilação atrial", disse Tu.

"A resposta é não - menos de seis drinques por semana é o limite para homens e mulheres."

Fonte: Samuel J. Tu et al, Risk Thresholds for Total and Beverage-Specific Alcohol Consumption and Incident Atrial Fibrillation, JACC: Clinical Electrophysiology (2021). DOI: 10.1016/j.jacep.2021.05.013

O autor

Rubens de Fraga Júnior é professor titular da disciplina de gerontologia da Faculdade Evangélica Mackenzie do Paraná. Médico especialista em geriatria e gerontologia pela SBGG.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias