Sábado, 25 de Setembro de 2021
29°

Pancada de chuva

Jataí - GO

Dólar
R$ 5,33
0%
Euro
R$ 6,25
-0.001%
Peso argentino
R$ 0,05
+0.049%
Bitcoin
R$ 268,773,25
+2.269%
Bovespa
113,282,67 pontos
-0.69%
Geral Saúde Pública

Pacientes de Goiás já podem obter tratamento gratuito de Insuficiência Cardíaca (IC) pelo SUS

Doença afeta cerca de 3 milhões de brasileiros9 e vem se tornando um problema de saúde pública11;

03/08/2021 às 09h14
Por: Gideone Rosa Fonte: J.N
Compartilhe:
A insuficiência cardíaca (IC) é uma doença crônica, ainda sem cura, porém, tratável. / Foto: Divulgação
A insuficiência cardíaca (IC) é uma doença crônica, ainda sem cura, porém, tratável. / Foto: Divulgação

A IC é crônica, sem cura, mas dispõe de tratamentos que devolvem a qualidade de vida ao paciente

Desde o início da pandemia de Covid-19, o Brasil e o mundo têm enfrentado diversos desafios para conter a disseminação do vírus. As doenças cardiovasculares, que já figuravam como a principal causa de mortes no mundo, com mais de 17 milhões¹ de vítimas por ano, intensificaram ainda mais a complexidade deste cenário: os pacientes que sofrem destas doenças, como a Insuficiência Cardíaca (IC), estão no grupo de risco para a Covid-19.

A Insuficiência Cardíaca (IC) é a causa mais comum de hospitalização em pessoas com idade acima dos 65 anos, sendo que, cerca de metade das que são hospitalizadas morrem em cinco anos. A doença ocorre quando o coração não se contrai com força suficiente para bombear a quantidade necessária de sangue para o corpo. De acordo com estudos, a condição provoca de duas a três vezes mais mortes que cânceres avançados, como o de intestino e de mama6.

No Brasil, a Insuficiência Cardíaca (IC) é a principal causa de re-hospitalização, com alta probabilidade de mortalidade em cinco anos. O cardiologista Aguinaldo Freitas Jr, Professor Associado de Cardiologia da Universidade Federal de Goiás, explica que a cada visita ao hospital, o quadro do paciente pode se agravar. “Um dos grandes problemas é que muitas vezes os sintomas da IC são confundidos com outras patologias, como as doenças pulmonares. E o paciente só descobre a patologia quando tem o primeiro quadro de descompensação e acaba internando”, comenta.

Estima-se que 23 milhões de pessoas são acometidas com a Insuficiência Cardíaca (IC) globalmente, das quais 3 milhões só no Brasil9. A prevalência da condição vem aumentando consideravelmente nos últimos anos em todo o mundo10, tornando-se um grave problema de saúde pública, inclusive no Brasil.

Em Goiás, segundo o cardiologista Aguinaldo Freitas Jr, o cenário da insuficiência cardíaca na região exige atenção. “A situação da IC em Goiás muito se assemelha a de outros Estados brasileiros. É uma doença extremamente prevalente, com uma incidência crescente a cada ano e que é responsável por internações muito prolongadas. No estado de Goiás temos um fluxograma de atendimento de IC muito bem organizado, nossos postos de saúde conseguem fazer esse primeiro atendimento e referenciar paciente pra outros centros, como o Hospital das Clínicas”, comenta.

A insuficiência cardíaca (IC) é uma doença crônica, ainda sem cura, porém, tratável. Existem medicamentos que reduzem a morte por causa vascular em 20%, além de diminuir as hospitalizações provocadas pela doença em até 21%. No caso de pacientes atendidos pelo Sistema Único de Saúde (SUS), estes tratamentos já foram incorporados e estão disponíveis para serem dispensados gratuitamente à população na rede pública de saúde. Para o Professor Associado de Cardiologia da Universidade Federal de Goiás, o acesso aos medicamentos que ajudam o paciente no controle da insuficiência cardíaca é de extrema importância. “É uma ótima notícia saber que nossos pacientes de Goiás poderão ser tratados gratuitamente via SUS com medicamentos eficazes na diminuição de internações por IC”, comemora.

O médico também faz um alerta. “Antes de mais nada, os pacientes precisam ser diagnosticados corretamente. A Insuficiência Cardíaca (IC) é uma doença com alto risco de morte13. Por isso, ao apresentar sintomas como falta de ar ou cansaço ao realizar tarefas cotidianas, como subir escada ou fazer caminhadas, é importante que o paciente busque uma orientação médica com um cardiologista”, enfatiza Freitas Jr.

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias