Esporte

quarta-feira, 26 de agosto de 2020

Agropecuária em Goiás registra saldo positivo de emprego em todos os meses de 2020

Somente de janeiro a julho deste ano, foram abertos 7.064 novos postos de trabalho no Estado em atividades ligadas à agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura. Governo atua para fortalecer setor

De janeiro a julho deste ano, o setor agropecuário foi responsável pela criação de 7.064 novos postos de trabalho em Goiás. O segmento registrou saldo positivo de empregos em todos os meses de 2020, ou seja, quando o número de admissões foi maior que de demissões. Só em julho, foram 504 novas vagas em atividades ligadas à agricultura, pecuária, produção florestal, pesca e aquicultura. Somando com dados da indústria da área de alimentação – cuja matéria-prima tem origem na agropecuária -, a quantidade aumenta, pois só a área de fabricação de produtos alimentícios teve saldo de 1.145 novos postos de trabalho no mês passado. Os números são do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged), do Ministério da Economia.

  Segundo o secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Antônio Carlos de Souza Lima Neto, apesar de a Covid-19 ter impactado diversos setores da economia, a agropecuária não parou as atividades ao longo do ano e isso refletiu de forma positiva na criação de empregos. "Enquanto outros segmentos passaram por dificuldades na contratação de mão de obra e por desemprego, a agropecuária se manteve na contramão dos índices, promovendo a inclusão de pessoas no mercado de trabalho e contribuindo para a geração de renda e o desenvolvimento de cidades", disse o secretário.

Antônio Carlos enfatiza que o agro contribuiu não só para criar novos postos de trabalho no campo, mas também por incentivar, principalmente nos últimos dois meses, a retomada de vagas em setores como a indústria. "Algumas áreas dependem do agro como fonte de matéria-prima para suas atividades, como é o caso da indústria de alimentos, que registrou um dos maiores saldos positivos de emprego no mês passado", comemora.  

O secretário acrescenta também que o setor agropecuário alcança resultados expressivos, principalmente na safra de grãos e em exportações, o que proporciona mais segurança para que produtores possam investir na atividade e, por consequência, oportunizar mais vagas de trabalho.

"É preciso reforçar ainda que o Governo de Goiás atua para fortalecer o agro e as cadeias produtivas deste setor, o que permite levar melhorias para todos que atuam direta ou indiretamente no meio rural", informa o secretário. Ele explica que as ações vão desde internet em assentamentos rurais e operacionalização do Programa de Aquisição de Alimentos até investimentos em obras como barragens e entrega de máquinas e implementos agrícolas para melhoria da infraestrutura rural. "Temos seguido a orientação do governador Ronaldo Caiado em desenvolver políticas públicas, assim como levar projetos e melhorias para permitir a criação de emprego e renda, especialmente para as regiões mais vulneráveis no nosso Estado", destacou o secretário.  


Contratações

Os números recordes alcançados pelo agro goiano e as ações voltadas para desenvolver o setor no Estado atraem cada vez mais a atenção de empresas e indústrias, o que permite, inclusive, investimentos na construção de novas unidades em Goiás. É o caso da Rech Agrícola, que já possuía oito lojas espalhadas pelos Estados de Mato Grosso, Bahia, Maranhão e Goiás, e agora instala cinco novas lojas. Uma delas será em Rio Verde, no Sudoeste goiano, onde a empresa deve investir R$ 500 mil, com a expectativa de abertura de mais 10 vagas diretas de trabalho.

Somente no período de pandemia, quando muitos setores demitiram, a Rech Agrícola fez a contratação de 26 profissionais. Um deles é o Erik Ribeiro de Morais, de 42 anos, consultor de vendas de campo da empresa. Ele começou as atividades no início de agosto, na unidade de Goiânia, mas atua no atendimento a produtores rurais de 15 municípios que integram a região da Estrada de Ferro em Goiás. "São locais ricos na produção agrícola e pecuária, comprovando a importância que o agro exerce na economia dessas cidades".

Para ele, a vaga de trabalho representou uma excelente oportunidade de crescimento na profissão. "Trabalho no setor agropecuário há 20 anos e acredito no potencial desse segmento. Hoje, praticamente tudo passa pelo agro. Se o setor funciona, o mercado do bairro também funciona, tudo funciona. Por isso, busco desenvolver minhas atividades de forma que eu possa contribuir para esse crescimento e estimular ainda mais o desenvolvimento do agro goiano", destaca.

Agro e a criação de empregos em 2020

Janeiro – 1.144

Fevereiro – 1.601

Março – 996

Abril – 685

Maio – 178

Junho – 1.956

Julho – 504

Total: 7.064 novos postos de trabalho

Fonte: Caged/Ministério da Economia

Comunicação Setorial - Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa), com informações do Caged – Governo de Goiás


Nenhum comentário: