Seja sensato, fique em casa

Seja prudente


segunda-feira, 18 de maio de 2020

Corona Vírus - "Mudança de comportamento e inovação" (JN)

Foto: Roberta Züge
O AC/DC dos negócios

Por Roberta Züge

Atualmente, qualquer cidadão que esteja minimamente consciente conhece o novo Coronavírus. Falar em prevenção, contaminação, infecção, isolamento, distanciamento social, taxas de crescimento e até o uso correto de máscaras, são assuntos constantes em qualquer estrato social ou educacional.

Pessoas sem nenhuma afinidade com a área de saúde discutem a eficácia de tratamentos, uso de novos medicamentos, chegando até em máscaras N95. Temas que antes eram mais comuns aos profissionais da saúde, viraram discussões intermináveis, especialmente nas redes sociais, já que os contatos pessoais estão muito limitados.

Mas, poucas são as certezas sobre o pós-corona. Uma das previsões é que será intensificado uso de plataformas digitais. Essas precisaram ser robustas em operacionalidades e devem permear distintos serviços. Também devem permitir reuniões importantes, pois viagens a trabalho serão realizadas apenas se realmente forem imprescindíveis. Supõe-se que nesse novo cenário transforme o comércio online em um novo protagonista mundial. Talvez, as lojas físicas se alterem para pontos de retirada de produtos e/ou em macro distribuidores. Experimentar uma roupa ou algum sapato se tornará menos comum. Menos tempo na loja pode significar menos contato físico, ou seja, menor chance de contaminação.

Outro setor que deve repensar muito suas ações é o de alimentos. Impende que os empresários comecem a empreender rapidamente sobre tais demandas, não apenas no sentido de mitigar o problema, mas em contingenciamento de medidas eficazes para prosseguir nesse ramo de atividade. Pode-se analisar o que ocorreu na China, por exemplo: a Starbucks, uma rede de cafeteria multinacional, estimou que as vendas naquele país devem cair cerca de 50% em relação ano anterior. A estimativa, antes da pandemia, era que teriam um crescimento mínimo de 3%.

O momento deve ser de atenção e de trabalhos triplicados; tentar desovar o que se está produzindo, ao mesmo tempo em que se buscam informações e dados que possam subsidiar planos de negócios e reestruturação das atividades fins. Para os que trabalham com alimentação, seja diretamente na produção ou em contato com o consumidor final, vão precisar evidenciar cuidados de higiene e sanidade. Devem transparecer ao consumidor que o produto é seguro. E isso deve exigir também mais transparência em relação à rastreabilidade dos produtos e dos procedimentos empregados.

O setor de alimentação também deve exigir mais robustez e amistosidade na utilização dos sistemas digitais, afinal o consumidor está preocupado com o alimento e seu tempo é igualmente preciso. Quem poderia imaginar que haveria uma horda de pessoas lavando embalagens de arroz, feijão etc., assim que chegassem em casa? Essas estarão seguras solicitando uma refeição por aplicativos, ou se servindo num buffet de self-service? Aquele hambúrguer, com vegetais frescos e crocantes, foi preparado com produtos higienizados corretamente? A produção do campo foi feita sob critérios que mantenha a sanidade dos alimentos?

Do mesmo modo que lojistas e empresários do setor de restauração devem estar se preparando para novos desafios, da retomada do consumidor aos centros comerciais, o setor de produção rural também deve buscar ferramentas que garantam a rastreabilidade e sanidade dos seus produtos. A exportação de alimentos, carro chefe que deve ser novamente o fiel da balança, também deve olhar para esses requisitos.

Os olhares devem ser fixados no cliente, o que ele busca e como sanarmos suas angústias para atendê-los. Mais do que nunca, este é o momento de focar na solução, não apenas querer discutir responsáveis pelos problemas, eles estão postos. Vencerá aquele que se adaptar ao novo cenário. Teremos um segundo AC/DC: antes e depois do Coronavírus.

Roberta Züge; Diretora Administrativa do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS); Diretora de Inteligência Científica Milk.Wiki; Médica Veterinária Doutora pela Faculdade de Medicina Veterinária e Zootecnia da Universidade de São Paulo (FMVZ/USP); Sócia da Ceres Qualidade.

Sobre o CCAS

O Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS) é uma organização da Sociedade Civil, criada em 15 de abril de 2011, com domicilio, sede e foro no município de São Paulo-SP, com o objetivo precípuo de discutir temas relacionados à sustentabilidade da agricultura e se posicionar, de maneira clara, sobre o assunto.

O CCAS é uma entidade privada, de natureza associativa, sem fins econômicos, pautando suas ações na imparcialidade, ética e transparência, sempre valorizando o conhecimento científico.

Os associados do CCAS são profissionais de diferentes formações e áreas de atuação, tanto na área pública quanto privada, que comungam o objetivo comum de pugnar pela sustentabilidade da agricultura brasileira. São profissionais que se destacam por suas atividades técnico-científicas e que se dispõem a apresentar fatos concretos, lastreados em verdades científicas, para comprovar a sustentabilidade das atividades agrícolas.

A agricultura, apesar da sua importância fundamental para o país e para cada cidadão, tem sua reputação e imagem em construção, alternando percepções positivas e negativas, não condizentes com a realidade. É preciso que professores, pesquisadores e especialistas no tema apresentem e discutam suas teses, estudos e opiniões, para melhor informação da sociedade. É importante que todo o conhecimento acumulado nas Universidades e Instituições de Pesquisa seja colocado à disposição da população, para que a realidade da agricultura, em especial seu caráter de sustentabilidade, transpareça. Mais informações no website: http://agriculturasustentavel.org.br/. Acompanhe também o CCAS no Facebook: http://www.facebook.com/agriculturasustentavel.

Nenhum comentário: