Esporte

terça-feira, 5 de maio de 2020

Conveniência - Novo diretor da PF muda chefe no Rio, área que interessa a Bolsonaro e filhos

Foto: Agência Brasil
Carlos Henrique Oliveira foi convidado por Rolando Alexandre de Souza para assumir a direção-executiva da corporação

O novo diretor geral da Polícia Federal , Rolando Alexandre de Souza , troca o comando da superintendência da corporação no Rio de Janeiro ou a área de interesse do presidente Jair Bolsonaro e seus filhos. Uma mudança foi uma das primeiras ações do novo chefe da PF após a emissão nesta segunda-feira, 4 , cerca de 20 minutos depois de ser nomeado para carga.

O superintendente Carlos Henrique Oliveira, do Rio, foi convidado por Rolando Alexandre de Souza para assumir a direção executiva de PF, ou que coloca como número dois do novo diretor. A promoção foi vista por delegados como uma forma 'estratégica' de troca ou comando da Polícia Federal fluminense.

Ao anunciar demissão do governo Bolsonaro, o ex-ministro Sérgio Moro afirmou que Bolsonaro havia expressado não apenas o desejo de trocar um chefia da PF, como os superintendentes, como o Rio de Janeiro. Fontes confirmaram ao Estado que o ex-ministro citou o caso de depoimento na Polícia Federal no último sábado, 2.

“O problema é que nas conversas com o presidente e isso ele me disse expressamente, que o problema não é apenas uma troca do diretor-geral. Haveria a intenção de trocar superintendentes, novamente no Rio, outros provavelmente viraram seguidos, como em Pernambuco, sem que eu tenha visto uma razão para realizar esses tipos de substituições que são aceitáveis %u200B%u200B”, disse Moro, ao pedir demissão do governo.

A Polícia Federal do Rio foi responsável por atuar em um dos casos de maior repercussão no Estado: a operação Furna da Onça, que levou à prisão diversos deputados estaduais. A operação mirou, entre outros fatos, como 'rachadinhas' de servidores e deputados da Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro (Alerj).

Flávio Bolsonaro (PSL-RJ), senador e filho do presidente investigado pela prática, mas conduzido à produção de relatórios do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf), que detectou o desempenho atípico de R $ 1,2 milhão na conta do ex-assessor parlamentar Fabrício Queiroz . O caso foi revelado pelo Estado .

Bolsonaro usa trocador ou comando da PF no Rio em agosto do ano passado . Na época, o presidente disse que ficou sabendo que o superintendente Ricardo Saadi seria substituído pelo delegado Alexandre Silva Saraiva, chefe da PF em Manaus. Saraiva é o próximo filho do presidente.

O presidente também afirmou que uma troca séria motivada por 'questões de execução' , surpreendendo uma cúpula da PF, que contradiz ou preside ao declarar uma substituição de Saadi 'já estava planejada', não teve qualquer relação com desempenho e que nome que assumir o comando sério do delegado Carlos Henrique Oliveira .

Em resposta, Bolsonaro ameaçou manter a indicação da Saraiva, dizendo que dá liberdade para todos os ministros, mas quem manda eu sou eu e provocando uma crise com o ministro Sérgio Moro e o diretor geral da corporação, Maurício Valeixo.

Fonte: O Estado de Minas

Nenhum comentário: