Esporte

quarta-feira, 1 de abril de 2020

Mais de 156 mil pessoas foram curadas de Covid-19 no mundo

O Brasil aparece em 29º no ranking, com 120 pessoas recuperadas da doença, segundo dados do painel online da Universidade Johns Hopkins

Por Eduardo Pinheiro 
Das 741 mil pessoas que contraíram coronavírus (Sars-Cov-2) no mundo, 156.838 mil se recuperaram da doença, até as 11 horas da manhã desta segunda, 30.  Os números são do painel online da Universidade Johns Hopkins, dos Estados Unidos, que atualiza o tempo todo os casos da Covid-19 no planeta.

O país com mais pessoas recuperadas até agora é a China. São mais de 75 mil livres da doença, de acordo com dados oficiais chineses. A Espanha é o segundo país com maior número de recuperados, com 16,7 mil, depois o Irã 13,9 mil, seguido da Itália, com 13 mil, Alemanha – 9,2 mil, França 7,2 mil, Coréia do Sul, 5,2mil. O Brasil aparece em 29º no ranking, com 120 pessoas recuperadas da doença – até o fechamento desta matéria.

Pico da doença
O pico da doença acontece neste momento nos EUA. O país norte-americano já tem mais casos confirmados do que a Itália, com 143 mil infectados contra 97 mil no país europeu. A Espanha é o terceiro mais infectado com 85,1 mil pacientes, seguido da China com 82,1 mil. O Brasil aparece em 19º lugar no ranking com 4,3 mil casos confirmados da doença.

Mortes
O número de mortes no mundo chega 35.114 pessoas, a maior parte delas na Itália. A Espanha tem 7,3 mil, a China (sobretudo na província de Hubei) tem 3,1 mil (dados oficiais chineses), o Irã tem 2,7 mil. O Brasil aparece em 15º lugar no ranking da Johns Hopkins, com 140 mortos – até o fechamento desta matéria.

Isolamento social
Como o pico de casos da doença ainda não aconteceu no Brasil – a previsão é que isso aconteça no meio do mês de abril – o ministro da Saúde, Luiz Henrique Mandetta defende o isolamento social, seguindo orientações da Organização Mundial da Saúde (OMS) e de especialistas e líderes do mundo inteiro orienta o isolamento social como melhor medida para conter o rápido espalhamento do vídeo e evitar que o sistema de saúde entre em colapso.

Nenhum comentário: