Esporte

quinta-feira, 20 de fevereiro de 2020

Investir em árvores: um negócio rentável

Árvores de Teca, Mogno Africano e Jequitibá Rosa com 
sete anos. Foto: Forte Florestal/Divulgação
Conciliando sustentabilidade, impacto social e retorno financeiro em longo prazo, empresas oferecem serviços de gestão florestal para cultivo e manejo de árvores de madeira nobre, como o Mogno africano, Teca e Jequitibá Rosa.

A demanda por madeiras roliças vem apresentando forte crescimento, e a tendência é que o mercado se amplie ainda mais nos próximos anos, impulsionado, principalmente, pelos segmentos moveleiro e da construção civil. Segundo o Serviço Florestal Brasileiro (SFB), atualmente, no Brasil são extraídos 11 milhões de metros cúbicos de madeira tropical oriunda de florestas naturais.

O SFB prevê uma redução de 64% da oferta até 2030, sendo que neste mesmo período a demanda deve quadruplicar, chegando a 21 milhões de metros cúbicos ao ano.

Considerando a alta procura e baixa oferta de madeira dura tropical proveniente da Amazônia, especialistas temem que o mercado vivencie o fenômeno chamado “Apagão Florestal”, que seria a escassez de madeira comercializável.

De acordo com o Instituto Brasileiro de Florestas (IBF), que desenvolve material genético para produção de madeiras nobres, haverá a diminuição de áreas privadas para produção e extração de madeiras devido a pressões na Amazônia e, por outro lado, ocorrerá o aumento na demanda por madeiras nobres serradas.

Segundo a empresa do setor florestal, o Brasil tem 30 mil hectares plantados de mogno africano, isto é, somando plantios organizados, consorciados e pequenas iniciativas em todo país. Mas tem um déficit de cerca de 16 milhões de metros cúbicos, que se fosse para plantar tudo em mogno, representaria cerca de 50 mil hectares plantados e produziria 500 a mil hectares por ano.

Em 2016, por exemplo, os produtos madeireiros provenientes da extração vegetal (floresta nativa) foram responsáveis por uma movimentação de R$2,8 bilhões, enquanto a produção da silvicultura (florestas plantadas) foi de R$13,7 bilhões.

O IBF acredita que o desafio do setor é implantar novas florestas capazes de atender a demanda do mercado de forma sustentável e equilibrada, sendo aptas a atender as exigências do mercado consumidor.

Leia matéria completa: Manejo de árvores/Como funciona

Nenhum comentário: