Radio Line e Rádio Ideias apresentam, Frequência de Classe 54

Prefeitura trabalhando

Cuidar do meio ambiente
Esse é o foco

Conectada com o Futuro

terça-feira, 28 de maio de 2019

Aconteceu na Câmara Municipal de Jataí

Diretor da UFJ torna-se cidadão jataiense

Em sessão solene realizada no último dia 24 de maio, no plenário João Justino de Oliveira, o diretor da Regional Jataí da Universidade Federal de Goiás (UFG), em processo de transformação em Universidade Federal de Jataí (UFJ), Alessandro Martins, recebeu o título de cidadão jataiense. Apresentada pela vereadora Kátia Carvalho, a proposta foi aprovada por todos os parlamentares.

A mesa de trabalhos foi composta pela presidente da Câmara Municipal de Jataí, Kátia Carvalho, pelos vereadores Agustinho de Carvalho Filho, o “Carvalhinho”, Pastor Luiz Carlos e Major Davi Pires, pelo prefeito de Jataí, Vinícius Luz, por Alessandro Martins e sua mulher, Silvana de Araújo Silva, e pela representante da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), Subseção de Jataí, Fabiane Ribeiro Arrais.

O prefeito Vinícius Luz abriu o espaço reservado aos pronunciamentos destacando o mérito da homenagem. “É com muita satisfação que participo desta sessão solene”, garantiu ele. “Professor, eu não podia deixar de estar aqui, primeiro pela amizade que nos une e, segundo, pela importância de um momento como este, em que uma cidade tão acolhedora como Jataí outorga o título de cidadão a uma pessoa que defende o município. Sou testemunha dos esforços de sua equipe e do senhor para que Jataí possa ter sua universidade autônoma e independente. Muitas vezes nos procurou para que em conjunto, também com a Câmara Municipal, pudéssemos cobrar a implantação da UFJ junto ao governo federal. O senhor é parceiro desta cidade, tornou a regional parceira no desenvolvimento de nosso município. O título é merecido, pois o senhor muitas vezes fez mais por nós do que pessoas que aqui nasceram. Meus votos são de que o senhor seja o primeiro reitor da Universidade Federal de Jataí”.

O vereador Major Davi Pires ressaltou a extensa folha de serviços prestados pelo homenageado. “Conhecendo o seu currículo, fico feliz de saber que nossa UFJ está em boas mãos e também por estar aqui para honrar o senhor, do qual sabemos a luta para dar independência administrativa e financeira à universidade. Poucas pessoas fazem o que o senhor está fazendo, que é ir além de suas atribuições em busca da emancipação da nossa Regional, indo constantemente a Brasília para fazer gestões junto às autoridades maiores”, relembrou o parlamentar.

A mesma linha foi seguida pelo vereador Pastor Luiz Carlos. “É uma felicidade participar deste momento de reconhecimento do senhor, que há mais de 12 anos presta serviços à comunidade jataiense. Além de seu grande currículo acadêmico, foi fundamental para a instalação e a consolidação do curso de física em nossa UFG, para a qual também trabalhou incansavelmente. Agora, em meio a dificuldades, como trocas de governos e outras, segue firme na luta pela instituição. Reconhecê-lo como filho desta terra é para nós motivo de grande satisfação. Receba meus cumprimentos e sinceros votos de que Deus lhe dê cada vez mais saúde, coragem e motivação para continuar sua caminhada, agora como cidadão jataiense”, asseverou.

O vereador Carvalhinho ressaltou a qualidade que a UFG alcançou no município. “Diante de seu histórico, de seu currículo e sua carreira, esta homenagem é muito merecida, também por sua luta em prol da universidade e do desenvolvimento de Jataí. Agora com a responsabilidade de ser cidadão jataiense, tenho certeza que vai fazer muito mais, não só pela UFJ, mas também por nosso município. Tenho filho cursando direito na universidade e tenho certeza que ele será um grande profissional, tal o conceito que a instituição possui”, afirmou.

A presidente Kátia Carvalho, proponente da homenagem, defendeu a iniciativa. “Temos a prerrogativa de propor títulos de cidadão jataiense, que não são para qualquer um. Temos passado por muitas dificuldades, mas temos que propor e dar valor a quem merece. Trata-se de uma pessoa que sempre vimos trabalhando, lutando, sem esmorecer, pela universidade e pelo nosso município. Esta é uma homenagem justíssima a este lutador. Que o senhor continue sempre motivado, pois precisamos de homens e mulheres de bem que trabalhem em favor de nossa comunidade. Obrigada ao senhor por me dar esta oportunidade de lhe conceder este título. Na pessoa do professor, rendemos homenagem a toda a UFJ. A luta não é só minha, é do legislativo e de toda a comunidade em favor da instituição”, assegurou.

Alessandro Martins não conteve a emoção durante sua fala. “É um orgulho fazer parte desta comunidade. Agradeço à presidente Kátia Carvalho pela honraria. Agradeço a todos que me ajudaram a chegar aonde estou, a conseguir o título de cidadão jataiense. Quando surgiu a oportunidade de receber este título, em minha mente passou a ideia de que o que me levou a este momento foi a universidade, foi a educação. Deus me deu a chance de ser educador. Educação é uma condição de amor, que é o único caminho que leva à união, a nos fortalecer para nos constituir como seres humanos melhores e chegar também a uma sociedade melhor”, declarou ele.

O diretor também defendeu o ensino superior público e gratuito. “A universidade pública é essencial para uma sociedade que quer crescer cada vez mais. É um prazer muito grande defender esta instituição. Quando avaliamos um cenário de um país com 5.550 municípios, Jataí tem sua universidade. Precisamos agora trabalhar por sua implementação. Dentre 68 universidades federais, Jataí tem a sua, o que deve ser motivo de orgulho para todos nós. Aqueles que aqui se formaram muito contribuíram para o desenvolvimento humano e social deste município e desta região. É um bem que deve ser defendido por todos os jataienses e aqueles que para cá vieram. Temos que lutar para manter nosso polo universitário neste momento em que nossos governantes estão tomando decisões que não são positivas para as instituições de ensino superior”, conclamou Martins.

“Ao chegar a Jataí, logo nos sentimos familiarizados com as pessoas, como se já as conhecêssemos”, revelou o professor, referindo-se também à mulher, Silvana. “Agradeço a todos os que nos acompanham neste trabalho, professores, alunos e ex-alunos meus, que se dedicam tanto a nossa universidade, muitas vezes sem serem visíveis, mas por vocação, pois sabem da importância de uma instituição, pois sabem que quando uma universidade é criada, dificilmente ela é destruída. Não se pode pensar num país, numa nação em que a educação não seja prioridade. Sem educação não podemos ter uma nação mais igualitária. Por isso temos que defender a univerdade federal pública e gratuita. Um agradecimento especial àquela que tanto me ajudou: a você, Silvana. Tem pessoas que se apagam para que outras se acendam. Se não fosse você, eu não estaria aqui hoje”, finalizou.

HISTÓRICO

Alessandro Martins nasceu em Goiânia, no dia 20 de junho de 1974. Formado em física pela Universidade Federal de Goiás em 1996, é mestre em física pela mesma UFG (1999), além de ser doutor na mesma disciplina pela Universidade de São Paulo (USP) desde 2004. Tem experiência em física de novos materiais, com ênfase em materiais magnéticos e propriedades magnéticas, com trabalhos publicados em revistas internacionais. É também revisor de artigos em revista internacional.

Martins possui ainda experiência com atividades de divulgação científica, por meio do Projeto de Divulgação da Astronomia e Ciências Afins, voltado ao público em geral, que alcançou mais de 20 mil pessoas até o final de 2018. Em 2006, o professor mudou-se para Jataí, onde foi vice-diretor da Regional Jataí da UFG entre 2011 e 2015. Nesse período assumiu também a Coordenação de Planejamento da instituição.

Atualmente professor associado da unidade jataiense, foi o primeiro contratado do curso de física da UFG em Jataí e o primeiro coordenador do curso, para cuja montagem colaborou, bem como na instalação dos laboratórios. Diretor da Regional Jataí desde 2015, Martins estabeleceu como meta principal de sua gestão a necessidade de trabalhar pela emancipação da instituição, a busca pela autonomia permanente e, consequentemente, a transformação do antigo câmpus em uma universidade autônoma, o que acabou se tornando uma realidade.

Crédito das fotos: Vânia Santana/CMJ

Nenhum comentário: