Radio Line e Rádio Ideias apresentam, Frequência de Classe 54

domingo, 31 de março de 2019

Caos na saúde pública de Jataí

Senta que lá vem mais história


Em um relato breve DC Mello descreve o problema crônico da saúde pública em Jataí o que nos remete aos primórdios do Município tempo que os grande Coronéis ditavam as regras na política.
Com sua inteligência, perspicácia e habilidoso pesquisador  narrador de fatos históricos DC Mello vai aos "Porões" da história Jataiense e regasta esses fatos ocorridos no passado que se fazem presentes mostrando um problema que não é de hoje. 

Por DC Mello
Os problemas que envolvem a saúde pública parece que surgiram pra ficar e isso não é de agora. Se ainda hoje os governos se mostram impotentes para contorná-los, imagina o flagelo que era para a população no século XIX, para não ir mais longe, quando as câmaras de vereadores eram obrigadas, por lei, a cuidar da saúde do povo.

O passado de Jataí tem episódios terríveis relacionados à saúde pública. Ai daquele que adoecesse. As famílias se viravam com receitas caseiras ou indicadas por charlatões que viviam às dúzias por aqui, como foi o caso de Herculano Carneiro entre outros. Se o doente tivesse dinheiro, mandava buscar recursos lá fora ou senão arrumava um carro de boi pra levar o coitado aonde fosse preciso. Conforme a gravidade da doença, às vezes o paciente nem chegava.

No tempo de Goiás Província, só a Capital possuía recursos médicos. No Hospital de Caridade S. Pedro de Alcântara, o único no centro do país, havia dois ou três médicos trabalhando sem equipamentos e em péssimas condições de higiene.

Naquela época, ninguém sabia sobre assistência médica e muito menos onde conseguir medicamentos, pois por aqui não havia farmácia.

As famílias se viravam com chás e receitas próprias aprendidas em casa. Para ilustrar essa fase difícil, Ana Cândida Moraes de Carvalho, primeira esposa de José Carvalho Bastos, teve 24 filhos, mas desses 24 somente dez chegaram à idade adulta. Tudo porque faltou assistência médica. Pré-natal não havia nem em sonho.

O primeiro registro conhecido da presença de médico morando e clinicando em Jataí foi em 1907. Era o Dr. Humberto Martins Ribeiro.

Esse cidadão alagoano se aclimatou por aqui, foi eleito vereador com a maior votação, deu posse ao intendente Honorato de Carvalho e foi presidente da Casa naquela Legislatura. Foi esse médico quem assistiu à Dona Ana Gedda no parto comj fórceps, quando nasceu Antônio Soares Gedda. É bom lembrar que Dr. Humberto Martins foi o primeiro vereador de Jataí a assumir o Governo do Estado em 1929 e 30.
Uma doença que atormentou as autoridades de Jataí foi a lepra.

A hanseníase assustava pela ação agressiva no organismo humano, pela facilidade de transmissão, além de incapacitar a vítima e ser mutiladora. Os médicos indicavam isolamento compulsório dos doentes.

Em 1941, por iniciativa do IBGE, foi formada em Jataí uma Comissão Censitária que objetivava fazer a Monografia Geográfica do Município. Dela fez parte o Médico Lauro Taveira que respondeu e assinou o questionário apresentado. Desse documento extraímos alguns itens que retratam a realidade de Jataí daquele tempo. Entre os itens abordados, destacamos sua opinião sobre a lepra. Assim escreveu Dr.
Lauro, “há epidemias de caxumba, sarampo e varíola, embora quase sem vítimas, devido aos abalizados clínicos que tudo fazem, sem remuneração, pela saúde pública. O Estado mantém um Posto de Higiene destinado ao combate da sífilis, do impaludismo e verminoses.

Existe um projeto de construção de uma Casa de Misericórdia (Hospital Regional) exclusivamente a custa do povo. Morféticos provenientes do Triângulo Mineiro (principal foco do Brasil) e também de outros municípios do Estado, infestam as ruas, e não obedecem às mais rudimentares regras de higiene. Não é possível a população suportar essa carga pesadíssima de doentes altamente contagiosos. Se o povo paga a taxa de assistência social aos governos, é obvio que essa tarefa compete aos poderes competentes. Resta ao povo uma medida, aparentemente desumana, única: negar-lhes, sistematicamente, óbolos e deixá-los entregues à morte por inanição, a fim de que a maioria se defenda do perigo de contaminação”.

Em 1945, no mandato do prefeito Júlio de Souza Cunha, aparece um lançamento no Livro de Registro de Despesa da Prefeitura: “Pago a José Alcides Machado, de Goiânia, despesa com a captura de leprosos desta cidade e transporte dos mesmos para a Colônia Santa Marta, em Goiânia”. Mais adiante, em 1948, o vereador Sebastião Herculano de Souza pediu à Câmara que “acione o Prefeito, o Chefe do Posto de Higiene, o Promotor Público e até o Delegado de Polícia, para de modo cristão, no sentido de se evitar que os doentes do Mal de Hansen perambulem e esmolem pelas ruas desta cidade, a fim de evitar o contágio de tão terrível quão repugnante moléstia”. Esta matéria foi objeto de discussão em várias sessões da Câmara, sem, no entanto, surgir qualquer solução ao problema.

DC Mello (foto) é escritor e já foi membro da Academia Jataiense de Letras, é professor e historiador. Hoje é o responsável por registrar e digitalizar os fatos históricos da Câmara Municipal de Jataí.

Nenhum comentário: