Radio Line e Rádio Ideias apresentam, Frequência de Classe 54

Esteja em dia com os tributos municipais e participe diretamente de nosso desenvolvimento


Clique na imagem e retire seu Carnê

quarta-feira, 9 de janeiro de 2019

"Estado de Goiás a beira do colapso financeiro"

E mais um complicador chega com ameaças se salários não forem pagos
Policiais militares e bombeiros podem parar se não receberem dezembro

Por Elisama Ximenes/Opção-JN
Associação fez críticas à secretária da Fazenda e cobra de Caiado honraria às promessas de campanha

A Associação dos Cabos e Soldados (ACS) da Polícia e Bombeiro Militar anunciou que pode fazer paralisação caso a categoria não receba o salário referente a dezembro.

O posicionamento é em resposta à proposta do governador Ronaldo Caiado (DEM) de parcelar em oito vezes a folha do mês que vence no dia 10 de janeiro. Para o presidente da ACS, Gilberto Cândido de Lima, caso o democrata não pague, estará descumprindo uma promessa de campanha.

Gilberto disse, ainda, que a categoria vai esperar até o dia do vencimento e, caso não seja realizada a quitação dos salários, a associação deve mobilizar toda a tropa para pressionar o governo de Goiás. A ACS conta com seis mil associados, entre ativos e inativos.

“Há mais de vinte anos nossos salários são pagos em dia, dentro do mês trabalhado. Nossos policiais e bombeiros não vão pagar o preço de situação financeira herdada por quem assumiu o cargo. Trabalhamos honestamente e precisamos receber”, disse o presidente.

Ele também questionou o fato de que o Legislativo e o Judiciário irão receber normalmente, em detrimento de outras categorias ligadas ao Estado. Além disso, Gilberto criticou a secretária da Fazenda, Cristiane Schimidt, alegando que a carioca não conhece Goiás.

“A Associação dos Cabos e Soldados não vai aceitar que seus associados e os demais policiais e bombeiros fiquem sem receber. Se houver necessidade de fazer uma paralisação, vou convocar uma assembleia geral e vamos estar todos juntos”, pontuou.

Nenhum comentário: