Radio Line e Rádio Ideias apresentam, Frequência de Classe 54

Esteja em dia com os tributos municipais e participe diretamente de nosso desenvolvimento


Clique na imagem e retire seu Carnê

terça-feira, 18 de dezembro de 2018

Sistema S na mira do futuro super ministro

“Brasil virou o paraíso de burocratas, de piratas privados”, diz Guedes
Para o futuro ministro da Economia, Estados e municípios devem apoiar reformas

Da Redação
O futuro ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou nesta segunda-feira, 17, em encontro com industriais na sede da Firjan, que é preciso “meter a faca no Sistema S também. Estão achando que a CUT perde o sindicato, mas aqui fica tudo igual? Como vamos pedir sacrifício para os outros e não contribuir com o nosso?”, afirmou Guedes, acrescentando que os empresários parceiros sofrerão menos cortes que os demais. As informações são do jornal “Estadão”.

Guedes reiterou a necessidade de formar um pacto federativo envolvendo políticos das esferas estaduais e municipais. “Estamos prontos para ajudar. Acabou o toma-lá-dá-cá. Vamos fazer bonito”, disse, defendendo que Estados e municípios devem apoiar as reformas do Estado. “Se não apoiar vai lá pagar sua folha. Como ajudar quem não está me ajudando? Quero que dinheiro vá para Estados e municípios, mas me dê reforma primeiro”, afirmou.

Ele destacou que, no ano que vem, os governo vão ter dinheiro com o leilão de áreas de pré-sal excedentes da cessão onerosa. Para que o leilão aconteça, no entanto, espera contar com a ajuda das bancadas regionais no Congresso. “Vai ter dinheiro para todo mundo no ano que vem com cessão onerosa, se Estados e municípios me ajudarem”, disse.

Ao iniciar sua palestra, Guedes afirmou que ainda há empresários que esperam pelos protecionistas do governo, assim como acontece com sindicalistas. Em sua opinião, “o Brasil é um País rico, virou o paraíso de burocratas, de piratas privados, em vez de ser o País do crescimento econômico”.

Porém, alguns empresários e políticos, como o presidente da Firjan, Eduardo Eugênio Gouvea Vieira, e o governador eleito do Rio, Wilson Witzel, têm uma visão de aliança com o governo federal, elogiada pelo futuro ministro. “É o pacto federativo, o novo eixo de governabilidade. Acabou o toma-lá-dá-cá”, disse.

Concessões

Para Guedes, o Brasil hoje está numa fase de transformação, está se “redesenhando”, e algumas mudanças são “irreversíveis”. “Se a descentralização das concessões for interessante, vamos descentralizar”, afirmou.

Nenhum comentário: