Radio Line e Rádio Ideias apresentam, Frequência de Classe 54

Projeto Sonho de Natal 2018




segunda-feira, 18 de junho de 2018

Ciclista matou mulher em hotel antes de morrer em acidente na BR-153, em Goiânia, diz polícia

Mulher foi encontrada dentro de quarto, com duas perfurações no pescoço. 
Policiais acharam no local uma carta assinada por Marcos dos Santos pedindo desculpas.

Por Paula Resende, G1 GO
O ciclista Marcos Lima dos Santos, que morreu ao ser atingido por um caminhão na BR-153, é suspeito de matar, pouco antes do acidente, uma mulher em um hotel de Goiânia. Segundo a Polícia Civil, Geane Silva de Oliveira, de 32 anos, estava com duas perfurações no pescoço.

Marcos morreu por volta das 11h de domingo (17). A Delegacia Estadual de Investigação de Crimes de Trânsito (Dict) informou que ele seguia pela contramão da BR-153, mudou bruscamente de pista e foi atingido por um caminhoneiro. O motorista disse à polícia que tentou desviar, mas não houve tempo hábil.

Os policiais apuraram que o acidente aconteceu logo depois de Marcos sair do hotel em que estava com Geane. Ao deixar o local, segundo a delegada Nilda Andrade, titular da Dict, ele disse à recepcionista que a “namorada estava cansada e que ficaria dormindo até o final da diária”, hora em que foi encontrada pelos funcionários.

Os investigadores encontraram veneno de rato próximo ao corpo de Geane. Por isso, peritos coletaram material biológico nos corpos para saber se algum deles consumiu o produto.

De acordo com a polícia, no quarto também havia uma carta escrita por Marcos pedindo desculpas, dizendo que o relacionamento tinha um ano e era conflituoso. Apesar de Marcos ter dito à empregada do hotel que a vítima era namorada dele, a delegada informou que Geane era casada com outro homem.

A Dict segue com a investigação do acidente. Conforme Nilda, não se deve abrir um inquérito para apurar a morte de Geane devido à morte do suposto autor. "Comprovado que ele era o autor, como se está, há a extinção da punibilidade e nem precisa instaurar o inquérito", explicou.
Postar um comentário