Radio Line e Rádio Ideias apresentam, Frequência de Classe 54

Legislativo Jataiense

Câmara Municipal de Jataí

quinta-feira, 1 de março de 2018

Delegacia do Meio Ambiente alega irregularidade em obra na fazenda de Gusttavo Lima

Delegado Luziano de Carvalho diz que apresentará representação na Justiça ainda nesta quarta-feira (28). Cantor nega ter realizado intervenção sem a devida autorização

Por Larissa Quixabeira
O titulara da Delegacia Estadual de Repressão a Crimes Contra o Meio Ambiente (Dema), delegado Luziano de Carvalho, deve indiciar na Justiça, ainda nesta quarta-feira (28/2), o cantor sertanejo Gusttavo Lima e outras três pessoas por crime ambiental.

Policiais do Batalhão Ambiental constataram que estaria sendo realizada uma obra na represa da fazenda do cantor sem a devida licença ambiental. A propriedade fica às margens da GO-020, entre Goiânia e Bela Vista.

Segundo denúncia, a represa da propriedade do cantor tem três hectares e o intuito era ampliar para quatro. Porém, a intervenção estava sendo feita sem a decida autorização da Secretaria de Meio Ambiente, Recursos Hídricos, Infraestrutura, Cidades e Assuntos Metropolitanos (Secima). Os responsáveis pela obra também serão indiciados.

“Este não é o único caso. Só nos últimos meses, encaminhamos para a Justiça mais de 50 procedimentos por irregularidades em diversas propriedades. Existe uma cultura de desrespeito ao meio ambiente que precisa acabar. O não cumprimento das regras pode ter consequências graves, como erosão, prejuízo da flora e até mesmo um rompimento da represa”, explicou em

“O fato é  que ele não tem a licença. Existe um protocolo de pedido de licença, mas ele não foi analisado ainda. Sem a licença, não pode fazer a obra”, asseverou.

Em resposta, a assessoria do sertanejo disse que não tem informação sobre a conclusão do inquérito e que todas as obras feitas na propriedade até o momento estão de acordo com a legalidade (confira a nota na íntegra ao final da matéria). Segundo o posicionamento oficial, a parte de limpeza e pasto foram realizadas com a devida liberação e as intervenção na represa aguarda aval da Secima.

Depois de indiciados, o cantor e os profissionais responsáveis pela obra responderão pelo crime ambiental previsto no artigo 60 da Lei 9.605 que prevê pena de 1 a 6 meses, multa ou as duas penas de forma simultânea. Fonte: Opção

Nenhum comentário: