Seja sensato, fique em casa

Seja prudente


terça-feira, 14 de julho de 2020

Fisioterapeuta ressalta a importância da ergonomia em home office

Com o distanciamento muitas pessoas passaram a realizar atividades em casa, mas é importante adequar o ambiente para evitar dores

Durante a pandemia trabalhar em casa se tornou uma realidade para muitas pessoas. Embora estar em casa possa parecer mais confortável nesse período, a mobília pode ser um grande problema, causadores de dores e má postura que precisam ser regulados para não gerar transtornos mais graves no futuro.

O fisioterapeuta Fábio Akiyama explica que o home office pode ser prejudicial para a coluna quando os equipamentos essenciais não são ergonômicos. “Quando em casa as pessoas podem se acomodar para trabalhar na mesa de jantar ou no sofá, o que não é ideal. Uma cadeira confortável e uma mesa adequada para essa atividade fazem toda a diferença e precisam estar de acordo com a altura de cada pessoa”, relata.

Algumas dicas para o trabalho em casa é que a tela do computador esteja na altura dos olhos, evitando a necessidade de levantar ou abaixar a cabeça, já os pés devem estar em 90º com a base no chão. Para isso não é necessário adquirir inúmeros itens, mas sim adaptar os que já existem, como colocar algum apoio sob os pés ou alguns livros embaixo da tela do computador para que ela alcance os olhos.

O home office também pode trazer consequências no psicológico, como a cobrança de passar o dia em frente ao computador para não perder nenhum momento ou em caso de emergências. Por esse motivo o profissional ressalta a importância de levantar periodicamente para tomar uma água ou alongar o corpo, alterando a posição e evitando dores. O mesmo vale para as crianças, é fundamental que elas se movimentem e não passem o dia na mesma posição, que pode prejudicar a postura. Nesse caso é interessante procurar por atividades lúdicas, permitindo que as crianças fiquem ativas mesmo com o distanciamento social.

Recorrer a remédios no momento em que as dores chegam não é o ideal, já que eles não são efetivos nesse caso. “Os remédios apenas mascaram as dores. Quando uma pessoa está há tempos sentada em uma cadeira que causa o problema e toma um remédio, o efeito permite que a pessoa continue sentada nessa posição por ainda mais tempo. Aumentando a exposição da pessoa a uma postura inadequada, prejudicando a coluna e o restante do corpo também”, Fábio informa.

Existem diversas formas de fazer com que o ambiente seja adequado, mas o primeiro passo é reconhecer quais são os problemas que estão causando dores e então procurar um profissional que possa ajudar a melhorá-las, além de utilizar a equipamentos ergonômicos.

Sobre Fábio Akiyama (foto)

Atua na área da saúde desde 2009. É fisioterapeuta e trabalha com a microfisioterapia, terapia que estimula a auto cura através do toque, ou seja, faz com que o corpo reconheça seu agressor e inicie o processo de reprogramação celular. É pós-graduando em técnicas osteopáticas e terapia manual, além da formação em osteopatia visceral, posturologia clinica e equilíbrio neuro muscular. Possui curso na área de tratamento da articulação temporomandibular (ATM) e introdução ao Método Rosen. Em 2014, realizou um curso de especialização em prevenção e tratamento de lesões de membros inferiores e análise biomecânica de corrida, pela The Running Clinic no Canada. Atua desde 2012 também como instrutor de Pilates e treinamento funcional. Em 2015, foi monitor no Instituto Salgado de Saúde Integral no módulo avançado do curso de formação em microfisioterapia. Para saber mais, acesse www.mindtouch.com.br

segunda-feira, 13 de julho de 2020

Governo de Goiás implantará unidade modelo para conservação do solo e da água em propriedades rurais

Foto: Divulgação
Iniciativa é desenvolvida pela Seapa e Emater, em parceria com Semad, UFG, Sistema Faeg Senar e Associação de Irrigantes. Objetivo é demonstrar como o uso adequado da terra, de acordo com sua aptidão, pode auxiliar na conservação e no aumento de produtividade das atividades agropecuárias

O Governo de Goiás, por meio da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) e da Agência Goiana de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária (Emater), prepara a implantação da primeira Unidade Demonstrativa de Gestão de Solo e Água do Estado. O projeto será desenvolvido na Estação Experimental da Emater em Araçu, município a 65 quilômetros da capital, e funcionará como Unidade Modelo para outros municípios.

O objetivo é implantar técnicas de manejo, no local, para conservação do solo e da água, de forma a demonstrar como o uso adequado da terra, de acordo com sua aptidão, pode auxiliar na sua conservação e aumento de produtividade das atividades agropecuárias. A Unidade Modelo também deve demonstrar o aproveitamento da área agrícola, considerando as propriedades do solo, a adequação às exigências ambientais, a declividade do terreno e as características das chuvas na região.

Além de representantes da Seapa e da Emater, também integram o comitê de implantação do projeto membros da Secretaria de Estado de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável (Semad) e da Universidade Federal de Goiás (UFG). O projeto também conta com o apoio do Sistema Faeg Senar e da Associação dos Irrigantes do Estado de Goiás (Irrigo).

Até o momento, para a implantação, foram realizados trabalhos de mapeamento hidrográfico da sub-bacia do Córrego Taquaral e da Bacia dos Rios dos Bois, da contribuição que será o objeto do projeto. A área possui 60 hectares e já foram identificadas as nascentes existentes, as  áreas degradadas em que serão feitos trabalhos de revegetação e as estradas que deverão ser deslocadas e recuperadas. O local havia sido desmatado no passado para introdução de pastagem e, atualmente, é utilizado pela Emater para produção de grãos. Com o projeto, espera-se a revegetação das nascentes com transição de Cerrado para Mata Atlântica, do chamado "Mato Grosso Goiano".

De acordo com o secretário de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Antônio Carlos de Souza Lima Neto, a Unidade Modelo vai aproveitar a expertise dos técnicos do Governo de Goiás e da UFG para implantar técnicas de conservação do solo e da água, mostrando que é possível recuperar essas áreas, tornando-as mais produtivas e ambientalmente sustentáveis. "A implantação da unidade mostra mais um passo dado em conjunto entre o setor agropecuário e o meio ambiente, conforme a orientação do governador Ronaldo Caiado. Nós sabemos da importância da preservação desses dois grandes ativos, que são o solo e a água, e que são essenciais para a produção agrícola. Temos a convicção de que essa unidade será referência para todo o Estado e vai servir de modelo para implantarmos um movimento de recuperação do solo e dos mananciais por todo o Estado", avalia.

Conforme explica o superintendente de Engenharia Agrícola e Desenvolvimento Social da Seapa, José Ricardo Caixeta Ramos, assim que recuperada, a unidade sediará visitas técnicas e dias de campo com produtores rurais. "Devemos promover a etapa de recuperação da área ainda este ano e nossa expectativa é, em breve, promover ações junto aos produtores, fazendo do local uma área de difusão de tecnologias sustentáveis para o campo", completa.

Parlamentares do Podemos saem em defesa da Operação Lava Jato e apontam caminhos para que o combate à corrupção seja preservado

Desde o início da Lava Jato, à medida que a Operação avança, inúmeras ações tentam implodir o trabalho de combate à corrupção no Brasil. Desde retrocessos na legislação penal, como o fim da prisão em segunda instância, até a intimidação e interferência no trabalho dos procuradores, o que levou, no fim do mês de junho, à renúncia de três integrantes da força-tarefa.
"É o maior erro da história do Brasil querer acabar com a Lava Jato. Essa operação conseguiu colocar a mão nos maiores corruptos do país, tanto da classe política quanto na classe empresarial. E quem se atrever a acabar com a Lava Jato irá pagar um preço muito alto politicamente. E esse será um atentado ao combate à corrupção", acusa o deputado federal José Nelto (GO) (Foto).

Na avaliação do senador Styvenson Valentim (RN), a Lava Jato trouxe a esperança de volta aos brasileiros. Ele destaca que o trabalho isento da Operação colocou na cadeia autoridades e empresários que se achavam "inatingíveis" e acima da lei.

"A Lava Jato foi um dos maiores presentes que o Brasil já teve. Graças a todas essas instituições e esses profissionais, que trouxeram à tona o que estava por debaixo desse pano obscuro da corrupção. Estão querendo destruir essa Operação para poder voltar à Idade das Trevas, mas estamos aqui, justamente, para não deixar a Lava Jato morrer", garante o senador.

Para os parlamentares do Podemos, o legado da Lava Jato é incontestável. De acordo com dados do Ministério Público Federal (MPF), em seis anos, a operação registrou a devolução de mais de R$ 4 bilhões aos cofres públicos. Além disso, realizou 70 fases que resultaram em 500 pessoas acusadas, 52 sentenças e mais de 210 condenações em primeira instância.

O ex-ministro da Justiça, Sergio Moro, usou as redes sociais para afirmar que a Operação Lava Jato passa por ataque e que providências precisam ser tomadas para preservar o trabalho de combate à corrupção no país.

"Nesse momento no qual a Lava Jato está sob ataque, será bom contra-atacar com propostas de aprimoramento para o combate à corrupção. Lista para PGR, mandato para Diretor Geral da Polícia Federal, fim do foro privilegiado, execução de condenação em segunda instância" ponderou Sergio Moro.

O presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República (ANPR), Fábio George Cruz da Nóbrega, classifica os últimos acontecimentos ocorridos com membros da Operação Lava Jato como "preocupante".

"Vejo com preocupação a constante saída de membros do grupo da Lava Jato na PGR", disse o presidente da ANPR.

Mais retrocessos

O Conselho Superior do Ministério Público Federal analisa proposta de criação de uma unidade central de combate à corrupção. A ideia é centralizar dados das investigações em curso e todo material ficar subordinado ao Procurador Geral da República, Augusto Aras.

O deputado José Nelto convoca as autoridades e à sociedade para impedirem o desmanche da Lava Jato. Para o parlamentar, é hora de reagir.

"Quero que a população brasileira fique de olho em quem está contra o combate à corrupção. É preciso chamar a sociedade, envolver o Ministério Público, juízes e políticos que têm compromisso de pôr fim à corrupção no Brasil para defender a Operação Lava Jato e todas suas conquistas. Não podemos aceitar retrocessos", conclui o deputado.


Crédito Foto: Agência Senado

Artigo - O agro é uma chave para o futuro

Por Xico Graziano

Está aumentando a importância da agropecuária na economia brasileira. O fato contraria a teoria clássica. Pois em vez de significar uma volta ao passado, o Brasil encontrou no agro um caminho para o futuro.

Dois indicadores macroeconômicos comprovam a valorização recente do agro nacional: o desempenho das exportações e o crescimento do PIB setorial.

As exportações oriundas do agronegócio somaram US$ 31,4 bilhões no 1º quadrimestre de 2020, acréscimo de 5,9% sobre igual período de 2019. Considerando-se a média dos quatro primeiros meses, as exportações do agro representam 46,6% da exportação total do país. Em maio, somente, essa fatia de participação alcançou 55,8%. Incrível.

Por sua vez, as importações do setor de agronegócio caíram 4,5% no quadrimestre, somando US$ 4,57 bilhões. Resultado: o agronegócio gerou superávit na balança comercial de US$ 26,83 bilhões nos primeiros quatro meses de 2020. A receita do agro paga as compras externas do país.

Quanto à geração de valor, os estudos do Cepea-USP mostram que, no ano de 2019, o PIB (Produto Interno Bruto) do agronegócio subiu 3,81%. No mesmo período, anual, segundo o IBGE, o PIB brasileiro total cresceu apenas 1,1%. O agronegócio empurrou a economia nacional.

Nesse 1º trimestre de 2020, o PIB do agronegócio continuou crescendo, chegando a 3,29%, comparado com o mesmo período de 2019 (Cepea-USP). Já o PIB nacional caiu 0,3% (IBGE). Esses dados indicam que está crescendo a participação do agronegócio no PIB total do Brasil. Em 2019, o PIB do agronegócio sobre o PIB brasileiro cravou 21,4%. Esta é a fatia da riqueza brasileira gerada a partir da produção rural.

Mas, atenção: falar em “agronegócio” significa considerar todo o complexo, ou seja, a soma das cadeias produtivas situadas antes, dentro e depois da porteira das fazendas. E não a produção rural per si. É fundamental entender esse ponto. A importância da agropecuária não se mede mais, como no passado, apenas pela atividade econômica existente dentro das propriedades rurais. O conceito de agronegócio é mais abrangente. Mais moderno e correto.

Na metodologia do Cepea-USP, o agronegócio está composto por quatro segmentos produtivos relacionados entre si, cujas participações são (2019): Insumos (rações, fertilizantes, máquinas, defensivos, medicamentos), com peso de 6%; Primário (lavouras e pecuária), com peso de 22%; Indústria (frigoríficos, lacticínios, usinas de açúcar, celulose, torrefação de café, etc), com peso de 30%; e Agrosserviços (assistência técnica, transporte de cargas, varejos, restaurantes, finanças, propaganda, exportação, etc), com peso de 42%.

Resumindo, para fixar o conceito: a produção rural, propriamente dita, representa apenas 22% do valor agregado do agronegócio. O processamento industrial e os setores de serviços, relacionados ao agro, preponderam, com 72% do agronegócio.

Percebam que exclusivamente o setor primário rural, aquele praticado dentro das fazendas, tem baixa participação no PIB nacional, ao redor de 4,7% (basta multiplicar 0,22 por 21,4%). Quando, todavia, considera-se a somatória de atividades que dependem da produção rural, ou são por estas movimentadas, fica claro que a agropecuária tecnológica dinamiza e multiplica a renda de vários setores econômicos. Gera renda e empregos espalhados pelo país.

Esse raciocínio, fundamentado nas variáveis macroeconômicas, vislumbra que o agronegócio poderá se tornar o maior negócio do Brasil. Fará parte do modelo de desenvolvimento. Participará do núcleo da política econômica.

Acreditem. Descubram. O agro é uma chave para o futuro.

Xico Graziano, engenheiro agrônomo, doutor em Administração, professor de MBA na FGV e membro do Conselho Científico Agro Sustentável (CCAS)

Ecovias do Cerrado inicia 2ª etapa da obra do Trevo de Xapetuba

Concessionária duplicará trecho no entroncamento
entre a BR-365 e a BR-452
A Ecovias do Cerrado iniciou, na última quinta-feira (9), a segunda fase dos trabalhos de construção da obra viária no entroncamento da BR-365 com a BR-452, em Monte Alegre de Minas, local conhecido como Trevo de Xapetuba. Nesse estágio, será realizada a remoção de um desvio na via e também a duplicação da pista da BR-365 para melhorar a fluidez do tráfego no local.


Os trabalhos serão executados durante todo o mês de julho e deverão ser concluídos no início de agosto. Durante a obra, o local estará devidamente sinalizado com cones, placas e homens-bandeira, mas a concessionária reforça para que os usuários redobrem a atenção ao trafegarem no trecho.


Após a conclusão dessa etapa, será possível iniciar a terceira fase da obra, que consiste na construção do viaduto para interligar o entroncamento. A previsão é que o todo o Trevo de Xapetuba seja entregue em janeiro de 2021, o que vai beneficiar principalmente o acesso à BR-365 para quem trafega pela BR-452.


A construção do Trevo de Xapetuba foi iniciada há quase 10 anos, mas sofreu uma série de interrupções. A conclusão da obra está inclusa no contrato assinado em 2019 entre o Governo Federal e a Ecovias do Cerrado para a assunção dos 437 km das BRs 364/365/GO/MG.


Informações sobre os trabalhos e interdições podem ser conferidas no site www.ecoviasdocerrado.com.br ou pelo telefone 0800 0364 365.

quinta-feira, 9 de julho de 2020

Novela Humberto Machado, contas recusadas, TCM, Câmara Municipal e dando voltas, STF ou TSE?

...E a possível candidatura de Zé Carapô ao Executivo Municipal
Por um discurso de Pedro Henrique Villa Barbosa

"Com a reprovação das contas do ex-prefeito humberto Machado na comissão e com a grande possibilidade de uma reprovação definitiva (o que deixa Humberto Machado inelegível), Zé Carapô está sendo convencido a colocar seu nome à disposição para entrar na disputa a Prefeitura de Jataí."

Mesmo que o Legislativo Municipal vote pela reprovação das contas, tal fato não torna Humberto Machado inelegível como tenta demostrar a reportagem.

O Tribunal regional se baseou na alínea g do artigo 1º da Lei das Inelegibilidades (LC 64/90), modificada pela Lei da Ficha Limpa (LC 135/10). Essa alínea considera inelegíveis os que tiverem suas contas relativas ao exercício de cargos ou funções públicas rejeitadas por irregularidade insanável que configure ato doloso de improbidade administrativa, para as eleições que se realizarem nos oito anos seguintes, contados a partir da data da decisão.

Diante do supracitado para ser inelegível tem que ocorrer uma irregularidade insanável, dano ao erário e o mais importante tem obrigatoriamente que configurar DOLO.

O que não se verifica nenhuma das três obrigatoriedades na Votação do Legislativo Municipal. Assim, mesmo que ocorra a recusa das contas por questões políticas tal fato NÃO torna Humberto Machado inelegível."

Artigo - Irrigação inteligente em hortifruti vai muito além do fornecimento de água

Por Glayton Botelho Rocha

A irrigação é sem sombra de dúvidas a tecnologia que promove o maior impacto no aumento da produtividade na agricultura. Mas não podemos pensar que a irrigação tem objetivo apenas de suprir a escassez das chuvas. 

Ainda existe no Brasil uma visão equivocada que associa a prática de irrigação ao fornecimento de água às plantas quando não se tem chuva. Acreditar nisso é limitar a ferramenta mais poderosa que o produtor possui para alcançar maior eficiência, menor custo e maior rentabilidade.

A Netafim, pioneira e líder mundial em soluções para irrigação, vem trabalhando com o conceito de irrigação inteligente há pelo menos 50 anos, quando produtores rurais em Israel inventaram a irrigação por gotejamento e decidiram converter áreas do deserto em terras de alta produtividade. O que eles fizeram? Muito além de fornecer água às plantas, eles conseguiram alcançar maiores produtividade utilizando uma quantidade mínima de água, além de economizar fertilizantes e defensivos químicos com a utilização do sistema.

Mas afinal, o que é irrigação inteligente? 

É o uso eficiente da tecnologia de irrigação localizada (gotejamento e microaspersão). É fornecer água às raízes das plantas, onde a água é realmente necessária, não nas folhas provocando condições para surgimento de doenças, provocando estresse à planta e aumentando as despesas por aplicações desnecessárias de defensivos químicos. É fornecer água na quantidade certa e no momento ideal que a planta necessita. É entregar às plantas os nutrientes necessários no local certo e no momento oportuno durante todo o ciclo de cultivo. É utilizar o sistema de irrigação como veículo de transporte e distribuição de insumos agrícolas, ao invés de consumir elevada mão-de-obra e combustível.

Práticas semelhantes têm sido trabalhadas nas culturas de hortifruti com o suporte agronômico da Netafim, proporcionando aos produtores significativos resultados. Na cultura do tomate, por exemplo, um dos maiores produtores da indústria, Iron de Lima, da Fazenda Alegre, em Itaberaí-GO, está revolucionando sua produção desde 2012, com um expressivo aumento de produtividade e qualidade no tomate, de 73t/ha no pivô central para 127 t/ha com irrigação inteligente no gotejamento. Além de aumentar a produtividade, o produtor atingiu melhor coloração, maior número de frutos por planta, maior peso, excelente brix e acidez, características importantes para a comercialização e rentabilidade do negócio.

História semelhante vem acontecendo com a cultura da cebola na região de Irecê, na Bahia. Um dos maiores produtores da região, Edson Carlos, da empresa Cebolas Zé Carlos, em João Dourado-BA, mudou do pivô central para a irrigação inteligente há alguns anos e vem colhendo excelentes resultados, saindo de uma produtividade média de 60 t/ha no pivô central, para 140 t/ha com a irrigação inteligente por gotejamento. Além de economizar água, um recurso bastante limitado na região, o produtor conseguiu aumentar sua área de produção, alcançar melhor uniformidade e padrão classe 3 cheio para comercialização.

Em um mundo em que a população aumenta cada vez mais, demandando maiores quantidades de alimento, e os recursos se tornam cada vez mais escassos, como água de boa qualidade e terras para o cultivo, utilizar com mais eficiência a tecnologia de irrigação e todo o seu potencial produtivo é ser inteligente e pensar no futuro de todos.

Prefeito Vinícius Luz autoriza mais 10 leitos de UTI para Covid-19

Administrar um município com carência de recursos e em meio a uma pandemia não é fácil.
Porém prefeito de Jataí está conduzindo a crise muito bem.

Jataí é uma regional de saúde onde concentra atendimentos a mais de 10 municípios no seu sistema público de saúde o que causa uma demanda grande por leitos sejam eles de UTI ou não.

Nesta Quarta-Feira o prefeito Vinícius Luz anunciou nas redes sociais a entrega de mais 10 leitos de UTI específicas para o tratamento da Covid-19. O prefeito falou ainda das mudanças e melhorias na ala destinada aos pacientes acometidos pela doença, sendo totalmente isolados das demais alas do hospital.

Veja a nota do prefeito

Olá pessoal de Jataí. 
Como todos já sabem, os atendimentos para pessoas com sintomas da COVID-19 no Hospital das Clínicas são feitos em uma ala exclusiva e isolada das demais áreas do hospital. Hoje, esta ala está passando por mais uma ampliação, e estamos entregando mais 10 leitos de UTIs e vamos trabalhar para ampliar mais. Essas são medidas importantes para o enfrentamento ao coronavírus e nesse combate buscamos salvar o maior número de vidas possíveis oferecendo uma boa estrutura e um atendimento ágil. Dias melhores para Jataí virão! Um forte abraço e que Deus nos abençoe.

quarta-feira, 8 de julho de 2020

O Caldeirão da Política jataiense cada vez mais na fervura


DEPUTADO ZÉ CARAPÔ ESTÁ DISPOSTO A ENTRAR NA DISPUTA A PREFEITURA DE JATAÍ

Principal representante do município na política estadual, o jovem parlamentar inclina-se ao pleito deste ano como nome forte para o administrativo. Tratado como uma das grandes revelações na Assembleia legislativa, pela seriedade e disposição para enfrentar a extensa rotina e carga de trabalho a que foi exposto, Carapô rapidamente ascendeu ao alto clero e tem sido altamente prestigiado na Casa. 

Em pouco tempo, o Parlamentar mostrou-se competente e determinado, levando várias conquistas para toda região sudoeste. Uma das mais importantes foi a captação da Cervejaria Cidade Imperial que, graças à atuação do deputado, vai investir um bilhão de reais em Jataí e gerar mais de dois mil empregos. Outra importante conquista foi a estadualização do Hospital das Clínicas que resultará em uma melhor prestação de serviço à comunidade. O Deputado ajudou, ainda, toda região, destinando mais de 5 milhões de reais em emendas para dezenas de municípios, destes, quase 1 milhão somente para Jataí.

Com a reprovação das contas do ex-prefeito na comissão e com a grande possibilidade de uma reprovação definitiva (o que deixa Humberto Machado inelegível), Zé Carapô está sendo convencido a colocar seu nome à disposição para entrar na disputa a Prefeitura de Jataí.

"Tenho trabalhado incansavelmente por toda região sudoeste e sei que posso contribuir ainda mais como deputado. Mas agora, minha querida cidade precisa de mim e não vou virar as costas para meu povo. Jamais deixarei que essa gestão continue enganando a população e destruindo Jataí", disse Zé Carapô.

Nos próximos dias, o Deputado já tem uma agenda extensa em busca da união de várias lideranças em prol de um projeto pela cidade.

"Amamos nossa Jataí e juntos temos força para construir uma cidade melhor para todos", concluiu o Deputado.

Da Assessoria de Imprensa

Testes rápidos aplicados em massa apresentam grandes chances de falsos negativos e são um risco, segundo alerta especialista

Foto: Divulgação / Teste rápido
Com alta chance de falsos negativos, e sendo incapaz de detectar o vírus desde o primeiro dia de transmissão, a utilização de testes rápidos para controle epidemiológico pode ter efeito contrário ao esperado, criando grande risco no momento de reabertura gradual das atividades

No momento em que várias cidades iniciam a volta às atividades em níveis controlados, ganha ainda mais importância a necessidade de se realizar testes em massa seguros, para que seja possível mapear e conter, de forma 100% eficaz, a disseminação pelo SARS-CoV-2. Contudo, os testes em massa realizados atualmente são imunoensaios - em sua quase totalidade na forma de testes rápidos baseados em antígenos e anticorpos -, que apresentam grandes chances de falso negativo se não aplicados corretamente, e principalmente por não serem capazes de detectar o vírus a partir do primeiro dia de contágio.

O mais indicado para a realização de testes em massa na fase aguda da pandemia, de acordo com a OMS (Organização Mundial da Saúde), é o teste PCR, que detecta com quase 100% de precisão a presença do vírus SARS-CoV-2 já a partir do primeiro dia de contágio. Seguindo os protocolos das instituições internacionais CDC (Centro de Prevenção e Controle de Doenças, Estados Unidos) e OMS (Organização Mundial da Saúde, Brasil), é o teste indicado para a contenção do avanço da doença. Aproximadamente 80% das pessoas contaminadas não apresentam sintomas, porém podem disseminar o vírus.

"Sem a testagem pelo método PCR, que permite detectar vírus SARS-Cov-2 já a partir do primeiro dia de contaminação, o vírus continuará se alastrando no País de forma descontrolada", afirma a biomédica Dra. Alexandra Reis, diretora Científica da Testes Moleculares, expert em padronização e desenvolvimento de exames moleculares em laboratório de rotina, que participou de diversos projetos de saúde, públicos e privados e é Ph.D. em vírus respiratórios pela FM USP. Ela explica que o efeito pode ser o contrário do que se espera com a aplicação em massa de testes rápidos, pois, em vez de controlar, se dará a percepção de falsa segurança, fazendo com que as pessoas continuem contaminando umas às outras.

A questão é que ainda há um desconhecimento grande sobre quais são as características de cada um dos testes e sua eficácia real. "Falta informação sobre qual a melhor metodologia para conduzir a testagem em massa. Muitas vezes a opção é pelo teste de menor custo, mas, ao final, isso pode ter um ônus enorme para a saúde e segurança da população", acrescenta Alexandra.

A Testes Moleculares está à frente do programa de testes em massa em andamento no município de Parauapebas, no Pará, que já testou cerca de 20 mil pessoas, e a previsão é testar 50% da população. É o maior programa de teste em massa pela metodologia PCR em um único município no País.

Entenda melhor a diferença entre os testes rápidos e o teste molecular:

Teste PCR

Detecta com altíssima precisão a presença do vírus SARS-CoV-2 em tempo real, ou seja, a partir do dia 01 de infecção. Este teste oferece um resultado confiável e definitivo, que corresponde ao exato momento da presença do vírus no corpo do paciente. Não requer coleta de sangue e é considerado o exame padrão-ouro para o diagnóstico da presença do RNA viral do SARS-CoV-2. A metodologia utilizada pela Testes Moleculares prevê a coleta de 2 swabs de nasofaringe e a análise de três pontos do gene do vírus, garantindo total eficácia na análise e nos resultados. Para realizar o teste, o paciente não precisa estar com qualquer sintoma da COVID-19.

Imunoensaio (ELISA)

Os imunoensaios são testes usados para detectar a presença de anticorpos ou antígeno para o patógeno em questão, ou seja, para avaliar a resposta imunológica do indivíduo. Este método é indicado para estágios mais avançados da doença, entre 09 a 10 dias após a infecção pelo vírus, pois ele não é detectado no período de janela imunológica. Nesse prazo, o paciente já desenvolveu os sintomas, e pode ter disseminado para outras pessoas. Ele é necessário em uma fase mais avançada da pandemia, principalmente para mapeamento epidemiológico, e, considerando que há muito a entender sobre a permanência da resposta imunológica das pessoas frente a este vírus.

Teste rápido (Antígeno)

Os testes rápidos por imunocromatografia, que detectam proteínas próprias do vírus na amostra (partícula viral a partir do 5º dia de apresentação de sintomas), é considerado um teste com baixa sensibilidade por ter uma grande chance de apresentar um resultado falso negativo. Isso pode expor a população e contribuir disseminar o vírus mais rapidamente.

Fonte: GPCom/Goiás Press

Após abertura gradual de atividades, Brasília se prepara para retomada do turismo a partir de julho

Foto: Poder360

Aeroporto JK prevê crescimento de 640% no fluxo de passageiros já neste mês em comparação a abril de 2020

Desde o início da pandemia, o Governo do Distrito Federal tomou medidas efetivas de segurança para evitar a propagação do novo coronavírus. Agora, com o retorno gradual de diversas atividades comerciais em Brasília, já se espera um crescimento de 640% no fluxo de passageiros no Aeroporto Internacional JK neste mês de julho e, consequentemente, a Secretaria de Turismo do DF também estima um aumento na movimentação do setor que está otimista para uma retomada do turismo na capital.

De acordo com a secretária de Turismo do DF, Vanessa Mendonça, a cidade está pronta para receber os visitantes de todo o país com segurança, e aposta no turismo interno como o grande aliado nessa retomada, já que houve um aumento no número de voos domésticos. "Estamos implementando todas as medidas de segurança necessárias no comércio e em pontos turísticos. E ainda temos um aeroporto que é um exemplo de modernidade e eficiência aérea, além de ser o maior hub doméstico do país," garante Vanessa.

Para o diretor de Assuntos Corporativos da Inframérica, Rogério Coimbra, o Aeroporto de Brasília é um importante centro de conexão e vem recuperando o movimento de forma gradual com ações necessárias para evitar aglomerações em virtude da intensificação das operações que estão sendo retomadas ao longo deste mês. "Reabrimos uma das salas de embarque - o pier norte - que estava fechada desde abril, como forma de atender às recomendações de distanciamento social. Além disso, adotamos diversos protocolos sanitários como a solução termográfica para aferir a temperatura corporal dos passageiros e, ainda, disponibilizamos diversos pontos de álcool em gel nos principais setores do terminal. Tudo isso para proteger os passageiros e a nossa comunidade aeroportuária," afirma o diretor.

Para os empresários do setor, a expectativa de aumento dos voos para Brasília é vista com bastante otimismo. Segundo a presidente da Associação Brasileira da Indústria de Hotéis do Distrito Federal (ABIH-DF), Adriana Pinto, a colaboração entre os setores público e privado é fundamental para a recuperação do setor e afirma que os hotéis estão prontos para receber os visitantes com toda segurança. "Estamos bastante otimistas com esse aumento no fluxo de passageiros. Nossa rede hoteleira voltou a operar normalmente este mês com todos os EPI´s e novos procedimentos de segurança e higiene necessários que fazem parte do Manual de Boas Práticas lançado em parceria com a Setur-DF," explica Adriana.

Retomada de voos domésticos

A Inframérica estima que este mês volte a ter, em média, 100 pousos e decolagens por dia em Brasília que volta a ter ligação com as cinco regiões do país e 35 destinos. Quanto aos voos internacionais, ainda não há previsão. O aeroporto de Brasília é o 3º em movimentação de passageiros no país e recebia, em média, 380 voos por dia. Com a pandemia, em abril, a movimentação caiu para 21 voos a cada 24 horas.

Fonte: Goiás Press

Queimadas podem prejudicar o abastecimento de energia, alerta FURNAS

Foto: Divulgação

Impactos preocupam ainda mais durante a pandemia. 
Em junho Goiás registrou mais de 300 focos de incêndio

As regiões Norte e Centro-Oeste do país encontram-se em período de estiagem atualmente e, com isso, os registros de queimadas ficam ainda mais evidentes. No mês passado, Goiás registrou 314 focos de incêndio, segundo o Instituto de Pesquisas Espaciais (INPE). FURNAS alerta para as consequências do impacto do fogo nas linhas e torres de transmissão, o que pode comprometer o abastecimento de energia de cidades e regiões.

De julho de 2019 até junho deste ano, a empresa registrou 81 desligamentos de suas linhas de transmissão por causa de queimadas. Os estados mais afetados, em geral, são Mato Grosso, Tocantins e Goiás. O sistema de transmissão de FURNAS passa por esses estados, onde também estão localizadas diversas usinas e subestações da empresa.

"As queimadas, além de crime ambiental, passível de punição com detenção, podem provocar o desligamento de linhas de transmissão, pois a fumaça e fuligem produzidas reduzem a capacidade de isolamento natural do ar, podendo resultar na abertura de arco elétrico dos cabos condutores para o solo e, consequentemente, no desligamento da linha. A falta de energia pode impactar diretamente hospitais e serviços essenciais, o que é ainda mais preocupante em tempos de pandemia da Covid-19", explica Ricardo Abdo, gerente de linhas de transmissão de FURNAS.

A empresa realiza regularmente campanhas de esclarecimentos junto à população para prevenção contra queimadas, visando conscientizá-la do perigo, do risco e visando reduzir tais ocorrências, tão prejudiciais ao meio ambiente, à saúde das pessoas e, também, ao sistema elétrico. Queimadas de grande porte, quando identificadas pela Empresa, são informadas ao Operador Nacional do Sistema Elétrico (ONS) para que sejam tomadas as medidas operativas adequadas e necessárias.

FURNAS também oferece, além dos canais disponibilizados no site http://www.furnas.com.br/subsecao/153/fale-conosco um número de telefone (serviço gratuito que funciona 24 horas) para receber informações sobre queimadas: 0800 0252555.

Realizar queimadas próximas às instalações do setor elétrico é crime, conforme o Decreto 2.661, de julho de 1998, que proíbe atear fogo em uma faixa de 15 metros dos limites de segurança das linhas de transmissão de energia e de 100 metros ao redor das subestações.

Fonte: Goiás Press

Campus Party 2020 mostra a importância do agro goiano


Além de hackathon voltado para o setor, servidores da Seapa comandam painéis sobre o segmento que impulsiona a economia no Estado

O agronegócio terá espaço especial na Campus Party 2020, a maior experiência tecnológica do mundo que será realizada de 9 a 11 de julho, simultaneamente, em mais de 30 países. Por meio da participação em painéis, a Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa) marcará presença na edição deste ano, que é a primeira digital do evento, formato escolhido como meio de contenção à disseminação do coronavírus (Covid-19). O objetivo da Campus Party é reunir o público em torno de um festival de inovação, criatividade, ciências, empreendedorismo e universo digital de internet das coisas.

A Campus Party Digital será totalmente gratuita e serão disponibilizadas centenas de palestras com transmissão ao vivo e on demand, permeando diversos assuntos nos diferentes palcos. O Estado de Goiás tem um site exclusivo no site da Campus Party (https://goias-digital.campus-party.org/), onde o agronegócio será discutido, levando em consideração o universo tecnológico. Na plataforma, startups poderão expor os seus produtos para os investidores. Além disso, será realizado hackathon com o tema "Agro e Logística", considerando as potencialidades econômicas do Estado e a posição geográfica estratégica. Haverá ainda um palco dedicado aos palestrantes do Estado, o "Goiás na Campus".

Uma das abordagens será realizada pelo secretário de Agricultura, Pecuária e Abastecimento de Goiás (Seapa), Antônio Carlos de Souza Lima Neto, durante o painel nacional "O futuro do agronegócio do Brasil". Ele debaterá com o deputado federal e presidente do Sistema Faeg Senar, José Mário Schreiner, e com Eduardo Bitu, CEO do Hub de Inovação Conexa. "O agronegócio é um setor que se destaca em todo o Brasil e, especialmente no Estado de Goiás, nossa vocação agrícola nos coloca à frente no que diz respeito à produção, comercialização e inovação. O Governo de Goiás reconhece e valoriza esse segmento, se dedicando a trabalhar em políticas públicas que apoiem o desenvolvimento rural no aspecto econômico e também social", destaca Antônio Carlos. O secretário reforça ainda que Goiás é referência em tecnologia. "Além de todo inovação aplicada em campo, nosso Estado é exemplo na realização de eventos voltados para incentivar o surgimento de ideias inovadoras e tecnológicas, que posteriormente são utilizadas no meio rural, proporcionando vários benefícios e ganhos", informa.

Já o superintendente de Produção Rural Sustentável da Seapa, Donalvam Maia, participará do painel "As novas tendências do mercado de trabalho do agro", ao lado do analista de mercado, Cristiano Palavro, O programador da área de inteligência de dados, Arthur Barros, e dos jovens empresários e influencers digitais Saile e Cesinha. "Vamos discutir a nova dinâmica do setor, que já vem se especializando e inserindo tecnologia, inteligência de dados e máquinas cada dia mais autônomas nos processos produtivos. A expectativa é que, após a pandemia, a tecnologia estará ainda mais presente e as mudanças serão ainda mais rápidas", comenta Donalvam Maia.

O chefe de gabinete da Seapa, Renato Faria, revelará "O segredo das transações econômicas", painel onde abordará os impactos das inovações tecnológicas nesse setor. "Um dos assuntos principais será o blockchain, que faz o registro de transações envolvendo moedas digitais de forma confiável e imutável. O pagamento por meio de criptomoedas tem se popularizado e deve se tornar cada vez mais comum com o passar dos anos", antecipa.

Sobre o evento
A Campus Party conta hoje com mais de 550 mil campuseiros cadastrados ao redor do mundo. Nesta edição, todo o conteúdo será dividido nos palcos: Global Main Stage, Goiás na Campus, Green Deal, Joy of Life, Living Better, New Horizons e Work Life. Além dos painéis, o público poderá acompanhar e participar de Hackathons, Job Factory, entre outras atividades.

Serviço: Agronegócio na Campus Party

O futuro do agronegócio no Brasil
Data: 09/07/2020
Horário: 16h
Palco: Green Deal

O segredo das transações econômicas
Data: 09/07/2020
Horário: 23h30
Palco: Goiás na Campus

As novas tendências do mercado de trabalho do agro
Data: 09/07/2020
Horário: 22h30
Palco: Goiás na Campus

Comunicação Setorial da Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa)

Comunicação - Contatos da Seapa, Agrodefesa, Ceasa Goiás e Emater
Secretaria de Estado de Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Seapa): (62) 3201-8925
Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa): (62) 3201-3546
Centrais de Abastecimento do Estado de Goiás (Ceasa Goiás): (62) 3522-9000
Agência Goiana de Assistência Técnica, Extensão Rural e Pesquisa Agropecuária (Emater): (62) 3201-8767

Fonte: Goiás Press